OS CLARINS DA BANDA MILITAR – Marilia Kubota

MOSAICO Coluna 18    Crônica
OS CLARINS DA BANDA MILITAR

por Marília Kubota

Ir ao desfile de 7 de Setembro era um horror. Já pensava em pesadas botinas, a marcha e a chuva. Chovia quando desfilávamos pela escola. Tínhamos que marchar e cantar o Hino da Independência com a chuva gotejando sob o nariz.
Um dia, soubemos que o presidente Emilio de Garrastazu Médici viria a Paranaguá. A imaginação de criança acreditou. Vimos uma limusine preta passar rápido diante de nós. O presidente só desfilava dentro da limusine ? Imaginei que iria a tantos desfiles pelo Brasil que nem tinha tempo de apertar nossa mão. Para a criança da época era só um presidente carrancudo. Quando fiquei adolescente, soube que a carranca tinha razão de ser.
Como chovia, o uniforme escolar ficava uma lástima. Até era bom, a gente podia voltar chapinhando nas poças d´água. Chegava em casa já enlameada da cabeça aos pés. O melhor momento do desfile era este. A mãe punha a mão na cabeça e mandava tirar a roupa pra lavar.
Nesta época, eu já conhecia a versão apócrifa do Hino da Independência: “Japonês tem quatro filhos / Cada um tem outro pai”. Mas não suspeitava que quando um menino puxava meu cabelo na sala de aula e lascava "Japonês tem cara chata / come queijo com barata" extravasava um preconceito que ele pensava dirigido a mim, e era contra nossa etnia. O preconceito veio da ideia de que os asiáticos representavam o "Perigo amarelo" – expressão que teve origem na Alemanha, no século 19, contra a ameaça do despertar econômico do povo chinês.
Na Segunda Guerra Mundial, depois de se alinhar aos Aliados, o governo de Getúlio Vargas considerou inimigos os imigrantes japoneses, alemães e italianos e seus filhos, nascidos no Brasil. Criou campos de confinamento de japoneses e descendentes no Paraná, Santa Catarina e Pará para isolá-los e retirar seus direitos civis.
A criança ainda não sabia tudo. O menino que vivia puxando meus cabelos era obrigado pela mãe a tirar o primeiro lugar. Caso contrário, levava surra em casa.
Pra mim, 7 de Setembro evoca uma infância confinada. A única liberdade estava nas brincadeiras e nos livros.

(Crônica incluída no livro "Eu também sou brasileira")


Comentários

  1. Bela lembrança desta data chata pra criançada. Na minha cidade, nos enchiam os olhos com o desfile das armas das forças armadas na maior avenida. Coisas de cidade que já foi capital. Nós, pequeninos, voltávamos quase mortos de insolação, um horror!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

PUBLICAÇÕES MAIS VISITADAS DA SEMANA

Machismo estrutural | Quando a imprensa também exclui as mulheres

Uma resenha de Marta Cocco | "Uma Diva na passarela estreita do Jabuti"

Um poema de Mar Becker | "à parte do reino"

Uma série pictórica de Neide Silva | Flores do Cerrado

Yedda Maria Teixeira | o prêmio da arte de amar

A poética que roça os sentidos | Banquete poético

Cinco poemas de Tatiane Silva Santos | "No sonho"

Era uma vez 11 I Literatura infantil inclusiva da brasiliense Alessandra Alexandria

De Prosa & Arte| Nosso Corpo não é Bagunça!

IX Tertúlia Virtual | Vozes e Olhares de uma Poética do Feminino