Ana de Corona | a obra de Gisele Mirabai que supera todas as expectativas

Ana de Corona - Capa


Ana de Corona superando expectativas 
por Chris Herrmann

A primeira vez que li sobre esse livro de Gisele Mirabai, confesso que não tive grandes expectativas. Não por desacreditar na competência da autora que é notória, mas pelo tema em si, que no momento tem sido explorado com obviedade. Entretanto não há nada de óbvio na trama da história. Gisele surpreende em todos os sentidos. Quando comecei a ler o livro, pensei que levaria algum tempo para lê-lo em sua totalidade. Bobagem. Li em um fôlego só. Quem leu sabe o quanto essa obra é magnética. Recomendo a leitura! 🤍

Sinopse:


A jovem ambientalista Ana tem sua bolsa de pesquisa cortada pelo governo. Com a rotina sobrecarregada pelo trabalho, maternidade, casa e o casamento atribulado, ela perde a concentração nos estudos. Até ser contaminada por um vírus pandêmico, que a leva de carona em uma viagem poético-científica por um planeta já há tempos contaminado.


Gisele Mirabai é escritora e roteirista. Seu romance MACHAMBA foi o vencedor do 1º Prêmio Kindle de Literatura e finalista do prêmio Jabuti.


Vejamos algumas impressões de quem leu:

O Fio Invisível Do Novelo De Lã
Ana de Corona é o primeiro romance que tem como cenário o Brasil convulsionado pela atual pandemia, entretanto jamais as palavras vírus e Covid19 são mencionados no texto e há um bom motivo para isso. De acordo com a autora, essa é a forma que escolheu para escapar do bombardeio diário dos dois termos. Na realidade, é “corona” que ganha destaque na narrativa. Ela não só aparece no título, também remete a um interessante trocadilho que será explicado ao longo da leitura, como ganha novos contornos mediante o emprego de seu significado mais poético: Corona também é o halo de luz ao redor do sol. Tendo como protagonista uma ambientalista chamada Ana cuja vida vai de mal a pior por conta do desgaste do casamento e de problemas profissionais, o livro explica de forma didática a expansão do vírus e suas consequências a partir da ideia do Fio do Novelo de Lã:, isto é, “uma linha invisível que, ao ser puxada, conecta diretamente cada árvore amazônica a um executivo da Avenida Paulista”, como provou a fumaça das queimadas na floresta que deixou a cidade de São Paulo na escuridão durante o meio da tarde em 19 de agosto de 2019. Por conseguinte, num mundo sistêmico basta um provável morcego infectado, comprado num mercado chinês e servido como iguaria, para dar início a um flagelo com capacidade para colocar em risco nossa sobrevivência e transformar o planeta, a ponto de em pouco tempo, as águas dos canais de Veneza voltarem a ficar cristalinas e após décadas, ser possível avistar o Himalaia de algumas cidades ao norte da Índia. Finalmente “Ana de Corona” pode ser enquadrado como um experimento literário. Fugindo do óbvio, a narrativa retrata a pandemia durante a pandemia, tecendo um cuidadoso registro de fatos, possibilidades e expectativas. Concomitantemente, da inspiração ao lançamento do e-book foram somente 19 dias, tempo que inclui duas revisões e editoração. Algo surpreendente para o resultado apresentado, recomendo. Nota: “No filme Contágio, o roteirista Scott Z. Burns previu que uma pandemia viria de morcegos expostos ao mundo dos homens por causa de árvores desmatadas. Que a doença contagiosa iria se alastrar de forma rápida por todo o planeta, cientistas correriam atrás da vacina, civis fariam isolamento social, haveria fechamento de fronteiras, saque em supermercados, quebra de farmácias e uma epidemia paralela de fake News. A única coisa que ele não previu foi presidentes contra as normas sanitárias de segurança pública. A presença de um vilão não foi concebida pelo artista, por considerar óbvio que, diante de uma situação dessas, o único inimigo possível é o vírus contra o qual a humanidade luta. Falas perigosas que colocam a população em risco e tornam cientistas, especialistas e profissionais de saúde alvos de dúvida não passaram por sua cabeça, afinal, um diretor de estúdio acharia inverossímil um presidente desumano em uma situação dessas. Mas a realidade sempre supera a ficção.” 

Leila de Carvalho e Gonçalves


Fluído, poético e reflexivo

Ana de Corona é um daqueles livros que flui de uma forma que você não consegue parar de ler enquanto o enredo não acaba. Gisele consegue nos emocionar com uma escrita leve, poética e reflexiva de um tema tão denso.
J.C. Marangoni

Espetacular!!! Nota 10.
Mais um gol de placa de Gisele Mirabai. Ana de Corona é um livro pra se ler de um só fôlego. Atualíssimo, fisga o leitor que só se contenta quando vê o final. Delícia de leitura. Recomendo!!!!
Aldo Roberto Gonçalves

Excelente leitura!
Uma obra sensível e criativa! Uma livro que cativa o leitor a cada página! Além do tema atual uma linguagem que somente escritores de talento são capazes de descrever!
Sérgio Gomes Oliveira






Gisele Mirabai é escritora, atriz e roteirista de cinema  e televisão. Natural de Belo Horizonte, morou no Rio, em Londres e atualmente vive em São Paulo. Pela Editora Gaia, tem publicado o livro "Guerreiras de Gaia", uma aventura fantástica que combina mitologia, filosofia oriental, esoterismo e física quântica.


Comentários

PUBLICAÇÕES MAIS VISITADAS DA SEMANA

Divina Leitura | O mito da beleza por Naomi Wolf e suas consequências para a vida das mulheres contemporâneas

Era uma vez 11 I Literatura infantil inclusiva da brasiliense Alessandra Alexandria

Cinco poemas de Angela Dondoni | "Transmutar"

Tertúlia Virtual | uma ideia genial de Marta Cortezão

Cinco poemas de Eva Potiguar | Uma poética de raízes imersas

Resenha do livro infantojuvenil A ÚLTIMA FOLHA, de Adriana Barretta Almeida

Tertúlias Virtuais | Poesia: a Arte do Encontro

Um conto de Carmen Moreno | "Dora"

Três poemas de Maria Cleunice Fantinati da Silva | "Intensa(mente) temperamental"

De Prosa & Arte | Cumpleaños