UniVerso de Mulheres 05 - Um Poema Inédito de Julie Dorrico, por Valeska Brinkmann


Um Poema Inédito de Julie Dorrico, por Valeska Brinkmann

                                                                              Foto: Inaê Guion
        

O boto
                                                                                           Para Márcia Kambeba

Na ponta da canoa
O canto ecoa
Lá vem o boto!

Da proa da canoa
Dá pra ver o boto
Brincando com o vô

Lá vem o boto
No pé do Apeú
Atrás do canto!

O boto gosta de canto!

Um encantado faz o quê?
Canta!
Por isso ele veio!
Por isso ele vem!

Às vezes homem
Às vezes criança
Às vezes mulher

Da ponta da canoa
Quem ele é?

Ô boto bonito
Me leva pra ver o teu mundo?
No balanço do maracá
O canto ecoa
Ecoa o canto!


Julie Dorrico, nascida em Guajará-Mirim (Rondônia) é descendente do povo Macuxi . Doutoranda em Letras na Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS).
Publicou recentemente o livro Eu sou macuxi e outras histórias (editora Caos & Letras, de Belo Horizonte), vencedor do Prêmio FNLIJ Tamoios 2019.

Tem contribuído imensamente para a divulgação da literatura indígena brasileira através de Lives com autores e artistas indígenas nas redes sociais e da rede de difusão Leia Mulheres Indígenas, do qual é integrante.

                                              

Comentários

PUBLICAÇÕES MAIS VISITADAS DA SEMANA

A terapia da palavra em quatro poemas da jovem escritora Maria Luiza Brasil

PodPapo 07 | Entrevista com a cantora e multiartista Lica Cecato

A beleza no humanismo e na denúncia da poesia de Edir Pina de Barros

PodPapo 09 - entrevista com a escritora, editora e coordenadora do Focus Brasil NY Nereide Santa Rosa

Um conto de Marithê Azevedo | "Céu Escuro"

Para não dizer que não falei dos cravos | Poemas e videopoemas de Rogério Bernardes

Três poemas de Dayane Soares | Uma poética do tempo e da ancestralidade

Um miniconto de Silviane Ramos | "De que cor ficou?"

Divina Leitura | As multiplicidades de "Santuário" de Maya Falks

Quatro poemas de Helenice Faria | Uma poética da resistência