A Poesia renova esperanças: Júlia Alberto, 14 anos, Poeta.


Autoria anotada na imagem

liberdade

de tão falada
corri atrás dela
da tão esperada por todos

sonhei com ela
ansiosamente
sua chegada, a alegria de todos

quando me falavam dela
meus olhos brilhavam

quando enfim ela chegou
corri sorri dancei
compartilhei asas coloridas com os amigos

enfim
o dia mais belo do ano

sem anotação de autoria 

um lar

um lar
talvez seja
o lugar que deitamos nossa cabeça

talvez
onde vamos
para nos sentir
bem

talvez
não seja apenas
onde
temos uma cama

não sei ao certo
o que é

apenas sei
que anseio
pelo momento
que encontrá-lo.

Josef Kote

além

a varanda velha
meus pensamentos
e esse cenário morto
sufocando

cada lado tem suas belezas
convivemos com isso
assim como temos de viver com feridas
feitas pela saudade

queremos estar vivos
amanhã quando o sol nascer
para que de tarde
possamos ir além dos pensamentos vulneráveis
que temos.

autoria anotada na própria imagem

renasci

vivi por tanto
tempo
em um mundo
que criei

um mundo de tristeza

desde que me libertei
vejo flores e muitas cores
em mim

me tornei
o que sempre quis

renasci.


Garry Samunjan

desilusões

ainda doem todas as desilusões
cada cicatriz
dói

doeu
e eu não queria isso

chorei noites sozinha
contra a minha vontade

quis gritar
a minha dor

talvez só eu saiba
o tamanho do sofrimento

talvez não quisesse nada disso
mas amadurecer tem suas consequências.


Júlia  Alberto da Silva, 14 anos, mora em Curitba,  9⁰ ano do ensino fundamental,  começou a escrever com uns 11 anos, porém, poemas, em novembro de 2019.




Comentários

Postar um comentário

PUBLICAÇÕES MAIS VISITADAS DA SEMANA

A terapia da palavra em quatro poemas da jovem escritora Maria Luiza Brasil

PodPapo 07 | Entrevista com a cantora e multiartista Lica Cecato

A beleza no humanismo e na denúncia da poesia de Edir Pina de Barros

PodPapo 09 - entrevista com a escritora, editora e coordenadora do Focus Brasil NY Nereide Santa Rosa

Um conto de Marithê Azevedo | "Céu Escuro"

Para não dizer que não falei dos cravos | Poemas e videopoemas de Rogério Bernardes

Três poemas de Dayane Soares | Uma poética do tempo e da ancestralidade

Um miniconto de Silviane Ramos | "De que cor ficou?"

Divina Leitura | As multiplicidades de "Santuário" de Maya Falks

Quatro poemas de Helenice Faria | Uma poética da resistência