Pensar linguagens – Marilia Kubota

MOSAICO Coluna 11   Crônica
Pensar linguagens
por Marília Kubota

Pensar sobre leituras. Ler, reler, pensar sobre o lido.
Pensar sobre escritos que descolam do imediato.
A tentação de escrever sobre o imediato é grande. Há um grande público ávido por
consumir o que se desloca diariamente. Este público se alimenta de sensações. 
As sensações apelam à percepção emotiva. Os sentimentos aguçados pelo escrito
sensacional são os afetos negativos: medo, raiva, aversão, que pedem reação e
extroversão.
A leitura, reflexiva, é um estímulo à introversão. Difícil é o momento de parar,
recusar o imediato.
O imediato não é agora.
Agora é estar presente. 
Agora é reverência: à leitura (pausa para a imersão e desconexão com os ruídos de
comunicação/ondas de entretenimento), contemplação do sagrado que é a existênc
comunhão com tudo que está fora e dentro.
Agora é a sucessão de ontens: o presente não existe, tudo é passado.
O imediato apela ao eu. O agora vê o outro. O eu não existe.
A  prova é que só existe em comunhão com o outro.
Que é a solidão ? Que é o isolamento ?


Oi, Coração, de Alice Yamamura
O mergulho para descobrir-se. Ler, escrever, ouvir sons do cotidiano, perceber o corpo. Não apenas a tela grande que se atualiza com  a comunicação com o mundo.
O mundo não é a humanidade. A humanidade começa em casa.
Olhando para o que não se deve olhar. O eu-outro, um eu que se observa, distanciado de
paixão. Distanciado de paixão ? Um eu frio ? Um eu iogue ou grogue.
Ou não: a compreensão que sagrados são os defeitos. Sagrados são os erros. 
Percepção de que o medo, a raiva, a aversão, se não expandidos, também podem ser
sagrados.
Hindus e tibetanos criaram divindades iradas ou destruidoras que não têm viés negativo,
como o demônio cristão.
Solidão, silêncio: quanto maior a distância, maior o desejo de se tornar mais   humano.
Um deus que se esconde  no alto das montanhas e nas constelações não é o que se encontra
quando se decide voltar o olhar para a frente e ver-se.
Frente e verso, trás e inverso.  Parar é encontrar a linguagem.
Ler e desconectar. Escrever e religar. 
Desde que a face humana se ergueu do chão tenta  alcançar o ponto mais alto.
Este ponto é a linguagem que nasce de silêncios de todos os tempos:  um deus.


Comentários

PUBLICAÇÕES MAIS VISITADAS DA SEMANA

Era uma vez 11 I Literatura infantil inclusiva da brasiliense Alessandra Alexandria

Divina Leitura | O mito da beleza por Naomi Wolf e suas consequências para a vida das mulheres contemporâneas

Cinco poemas de Angela Dondoni | "Transmutar"

Tertúlia Virtual | uma ideia genial de Marta Cortezão

Tertúlias Virtuais | Poesia: a Arte do Encontro

Resenha do livro infantojuvenil A ÚLTIMA FOLHA, de Adriana Barretta Almeida

Cinco poemas de Eva Potiguar | Uma poética de raízes imersas

Um conto de Carmen Moreno | "Dora"

De Prosa & Arte | Cumpleaños

Dois contos de Flávia Helena | "Amor não se joga fora" e "Terra Seca"