Cinthia Kriemler - 5 poemas pra não esquecer




Carmen Luna


Natureza morta II

A mulher chinesa
estática na fotografia em p&b
é diferente de mim

Não sorri não fala português não
diz palavra não tenta ser minha amiga
no Facebook

A mulher chinesa usa um chapéu de cone
para colher arroz e umas calças largas
que eu não quero usar

Porque eu sou gorda e as calças largas
avolumam ainda mais os visuais arredondados por
carnes em acúmulo

A mulher chinesa não quer ter filhas,
só filhos, porque as meninas são inúteis
para a revolução

Mesmo que a revolução já seja tão velha
quanto a minha memória mais antiga
do que seja uma revolução

A mulher chinesa se deita todas as noites
e chora sem ruído por alguma coisa que ela
não conhece e que faz falta
                                    
Tem medo que descubram que ela sonha
com viagens com livre-arbítrio e com campos
de girassóis

bem mais bonitos que os campos
de arroz que tornam plana a paisagem
dos dias chineses

Enquanto limpa o sangue vivo que o seu corpo
expele em ciclos exatos
de 28 dias

A mulher chinesa pensa em quanto sangue mais
terá que escoar para alcançar o campo insubmisso
e profano de girassóis.

Estática, na foto em p&b, a mulher
chinesa
sou eu.


Carmen Luna



Coisas de dentro

Quando eu tinha onze anos ganhei o meu primeiro sutiã. Azul-claro
e acolchoado. Dessas coisas que as meninas gostam aos onze anos.

Mamãe me disse que os sutiãs serviam para proteger os seios
Só não me disse de quê.

Na porta de casa, levantei a blusa e mostrei ao meu tio padre
como era lindo e azul-claro e alcochoado o meu primeiro sutiã

Som e fúria, ele me disse que Deus fez as coisas de fora e as coisas
de dentro, e que as de dentro foram feitas para ficar escondidas

Da primeira vez que eu transei não tirei o sutiã. Nem da segunda.
Em todas as outras apaguei a luz

A psicóloga das sessões de quarta-feira quer entender por que
eu não consigo falar digerir vomitar as coisas de dentro. Nem por que

eu não gosto de azul
Ela não sabe da repressão da boca de um padre.


Carmen Luna


Suicídio


cortar os pulsos do céu, esguichar o sangue sagrado
como a água nos aspersores de jardim

até que a morte  nos separe do cordão umbilical de Deus
que nunca aceita corte

o suicídio do eterno nos libertará de mugir



Tomasz Alen Kopera

hoje é dia de fim, bebê

atrás da primeira porta o leão furioso de Judá rompe
as amarras do livro dos sete selos e arranca de uma vez
sete segredos – quatro cavalos coloridos de fome
guerra conquista morte

atrás da segunda porta visões históricas, histéricas de corpos
que definham pútridos jorrando pelos poros bocas bundas
falos trapaças apostas blefes
e ranger de dentes

atrás da terceira porta Deus Todo-Poderoso
Alá [o Magnânimo], Shiva [o Destruidor] e um astronauta
imaginário (da intrépida trupe de von Däniken) rosnam mantras
rogam pragas, profetizam a partilha das 144 mil almas em espólio
(imaculadas)

após o último portal o metal afinado de seis trombetas improvisa
numa jam session o final do juízo e seis serafins bêbados
de apocalipse varrem do salão, com suas asas enormes
cavalos e eleitos

num canto do Nada soa
em silêncio
a sétima trombeta


Imagem Pinterest

Verschränkung

O gato de Schrödinger
brinca ou padece de vivomorto

encarcerado entes as paredes
de uma caixa hermética.

Estado quântico emaranhado,
oscila entre a dor insabida da morte

e a solidão da vida
nas mãos dos humores de um contador

Geiger, de um martelo
e de um frasco de cianeto.

Crueldade
é capricho do animal humano

os gatos prisioneiros só pensam
em derrubar paredes.


****



Cinthia Kriemler é carioca e mora em Brasília. Autora, pela Editora Patuá, de O sêmen do rinoceronte branco (Contos, 2020). Tudo que morde pede socorro (Romance, 2019); Exercício de leitura de mulheres loucas (Poesia, 2018); Todos os abismos convidam para um mergulho (Romance, 2017) – finalista do Prêmio São Paulo de Literatura de 2018; Na escuridão não existe cor-de-rosa (Contos, 2015) – semifinalista do Prêmio Oceanos 2016; Sob os escombros (Contos, 2014); e Do todo que me cerca (Crônicas, 2012). Organizou a antologia de contos Novena para pecar em paz a convite da Editora Penalux, em 2017. Tem textos e poemas publicados em diversas antologias e em revistas literárias.



  

Comentários

PUBLICAÇÕES MAIS VISITADAS DA SEMANA

A Poesia renova esperanças: Júlia Alberto, 14 anos, Poeta.

PodPapo 01 | Entrevista com a escritora Rosângela Vieira Rocha

Alma&Luz - A poesia de Ana Cleusa Bardini - seis poemas

Uma crônica em tempos de quarentena - Por Marta Godoi

A poesia terna e lúdica de Alessandra Sanches

Fotografia 5 | Projeto Pixel Ladies + Revista Ser MulherArte - Francine Tobin

PodPapo 02 - entrevista com a escritora Lia Sena

Uma Mulher Admirável - Chris Herrmann

Em uma Metáfora bem-humorada, o passado alerta o futuro: crônica de Marisa Zani

depois O Amor | um Romance apaixonante de Lia Sena