Quatro poemas de Maria Elizabete Nascimento de Oliveira | Nas asas do inaudível

 

Fonte: pixabay.com


Quatro poemas de Maria Elizabete Nascimento de Oliveira

Nas asas do inaudível


O silêncio

 

Silêncio nunca é ausência.

É plenitude, criação fetal.

Às vezes, meigo,

embala o sono,

perfuma o sonho.

Outras, selvagem,

chega galopante,

tortura a mente,

espreme o cérebro,

arrasta-nos

do/para

o cativeiro,

companheiro de redenção.

 

 

Manifesto

 

Onde estão as mulheres escritas

pela goiana Cora Coralina,

pela mineira Conceição Evaristo,

pela ucraniana-brasileira Clarice Lispector

e tantas outras que

escrevem e escreveram

com o sangue que jorrou de si?

Apagadas,

invisíveis,

sem valor...

Gritos sufocados no universo de papel,

mulher-esposa,

mulher-amante,

mulher-mãe,

mulher-sonhadora,

mulher-profissional,

mulher-sedutora,

mulher-mulheres.

Vivendo todas em uma.

Este ser múltiplo, original.

Avante! Abra as portas e as janelas,

respire o ar que, também, sai de suas entranhas.

Únicas,

desiguais.



Fonte: pixabay.com


Explosão de mim

 

Borboletas em cio

bailam em fios de silêncios

que cortam,

que encompridam.

Voos rasantes da finitude,

voos que exalam perfumes

da força invencível da existência.

Voos que jorram overdose de mim,

me estico,

me ajeito,

me endireito

de imprecisões.

Neste imenso palco

me desfaço em cachoeira.

Eu grito,

eu sussurro,

eu deliro em vertigens de mim,

deságuo em liquidez,

sobras e excessos

do meu tempo,

de mulher.


 

Liberdade

 

Não!

Não é poesia.

Só vontade de pedir parada.

Descer do trem.

Quebrar corrente.

Tirar algema.

Abandonar a mala.

Rasgar o documento.

Sair da cela.

Encontrar ninguém.

Rasgar a carne.

Pedir parada.

Saltar com calma.

Andarilha.

Mulher e alma.

 

 

Fonte: pixabay


Maria Elizabete Nascimento de Oliveira - Doutora em Estudos Literários pela Universidade do Estado de Mato Grosso/UNEMAT. Atualmente, professora formadora da área de linguagens no Centro de Formação e Atualização dos Profissionais da Educação Básica/CEFAPRO – Cáceres/MT. Membro dos Projetos de Pesquisa: No Centro-Oeste da “MARGEM”: Cem Anos de Relações entre Cultura e Literatura em Mato Grosso (1916-2016), UNEMAT/Universidade do Estado de Mato Grosso; Poética contemporânea de autoria feminina do Norte, do Nordeste Centro-Oeste do Brasil - UNIR/Universidade de Rondônia. É autora de Asas do inaudível em luzes de vagalumes (Carlini & Caniato, 2020).

 





Comentários

PUBLICAÇÕES MAIS VISITADAS DA SEMANA

Machismo estrutural | Quando a imprensa também exclui as mulheres

Uma resenha de Marta Cocco | "Uma Diva na passarela estreita do Jabuti"

Um poema de Mar Becker | "à parte do reino"

Uma série pictórica de Neide Silva | Flores do Cerrado

Cinco poemas de Tatiane Silva Santos | "No sonho"

Yedda Maria Teixeira | o prêmio da arte de amar

IX Tertúlia Virtual | Vozes e Olhares de uma Poética do Feminino

De Prosa & Arte| Nosso Corpo não é Bagunça!

Um conto de Ciça Ribeiro | "O doce bombom"

Para não dizer que não falei dos cravos | Um poema de Ricardo Leão