Era uma vez 4I A valorosa literatura infantil da baiana Ana Fátima

 


Parreira-medusa 


Tem folhinhas nos olhos

Da Medusa da vizinha...

 

Na blusa?

Uvas!

Já sei!

A parreira deu fruta.

 

As uvinhas, hoje roxinhas,

Se abrigaram nas folhas

Que voaram

Até os olhos da vizinha

Com cabelos de Medusa.

 

Se assusta?!

Que nada!

Acho é graça

Das cobrinhas em sua cabeça

Balançando ao vento.

 

Que tal brincarmos de sementes?

Cada uva tem uma

E de cada uma sai brotinhos,

Como eu e você.

[...]

Mas acho que vi hoje

Saindo dos olhinhos da vizinha.

Duas uvas bem roxinhas.

 

(Poema publicado na antologia de textos infantis “Pirlim pim pim”, página 13)



A escritora Ana Fátima nasceu aos 8 anos de idade quando começou a escrever os primeiros poemas sobre natureza, infância e sonhos. Aos 10 anos, após incentivo de uma professora da escola, passou a fazer os contos infantis a partir do seu olhar enquanto criança e adolescente. Infelizmente, aos 15 anos parou de produzir as histórias por ouvir de muitos adultos que “ser escritora é muito difícil”, “que escritor não é profissão”; falas que desestimularam a parte criativa alimentada pela leitora voraz que era. Aquilo refletiu negativamente no seu olhar sobre o sonho em viver da escrita, em se perceber enquanto produtora literária e proporcionar às pessoas o prazer pelas histórias da mesma forma que ela sentia ao ler José de Alencar, Machado de Assis, Lima Barreto, Lygia Fagundes Telles.

 Aos 24 anos, além do blog pessoal (negronapreta.blogspot.com.br), Ana teve uma poesia publicada no site da Fundação Cultural Palmares para ilustrar a data comemorativa de 20 de novembro de 2010: neste momento, a chama da retomada do sonho em produzir e divulgar a escrita poética cresceu...sentiu-se reconhecida por pessoas de uma instituição que não a conheciam pessoalmente, mas gostaram do que representou no poema. A partir de 2014, participou de concursos literários nacionais, antologias poéticas como Cadernos Negros, Mulher Poesia, Sarau da Onça. 




 

Em 2018 a escritora baiana começou a publicar  livros infantis: “As tranças de minha mãe”(Ed. Uirapuru) e “Makeba vai à escola” (ed. Cogito), encaminhando para o terceiro, “Tunde e as aves misteriosas” (Ereginga Educação). Também participou da FLIP e da FLIPELÔ em 2019,  além de realizar oficinas de escrita criativa, contação de histórias e formação de professores em Literatura infantojuvenil para efetivar as leis 10.639/2003 e 11.645/2008. Em 2020, participou da antologia de textos para crianças “Pirlim pim pim”(Ed. Versanje). 

Onde adquirir os livros da autora: Livrarias LDM (Bahia), Katuka Africanidades (Bahia) e Amazon.com (Brasil).

 


@anafatimaescritora

 
@fatimaodara

eregingaeducacao@gmail.com






Comentários

PUBLICAÇÕES MAIS VISITADAS DA SEMANA

A terapia da palavra em quatro poemas da jovem escritora Maria Luiza Brasil

PodPapo 09 - entrevista com a escritora, editora e coordenadora do Focus Brasil NY Nereide Santa Rosa

A beleza no humanismo e na denúncia da poesia de Edir Pina de Barros

Um conto de Marithê Azevedo | "Céu Escuro"

Cinco poemas de Eva Potiguar | Uma poética de raízes imersas

Divina Leitura | As multiplicidades de "Santuário" de Maya Falks

Quatro poemas de Helenice Faria | Uma poética da resistência

Três poemas de Dayane Soares | Uma poética do tempo e da ancestralidade

Um miniconto de Silviane Ramos | "De que cor ficou?"

Seis poemas de Mara Senna | Ponta de estrela