Era uma vez 5I Rita Queiroz, fisgada pela literatura infantil

 




CIRANDA ELETRÔNICA

 

No tablet ou no celular

Só quero jogar

E nada de estudar.

 

São joguinhos cheios de bichinhos

De tramas e caminhos

Para ficar perdidinho.

 

Papai e mamãe escondem tudo

Para eu poder estudar profundo

E fazer as provas em um segundo.

 

Quando o ano terminar

Vou apenas brincar

Até nas águas do mar, meus dedos vou deslizar.




Esse lindo poema é da escritora Rita Queiroz que está no livro “Ciranda, cirandinha: vamos brincar com poesia?”, poema feito  para seus sobrinhos – Rodrigo e Daniel, que dialoga com a vivência da criança de hoje. Vamos ler mais um? Dessa vez do livro Bordados de sonhos.


ESTRELA MALU

 

Malu é uma estrela de quinta grandeza

Tem cheiro de alfazema e cor de framboesa

Seus olhos são duas pérolas

E, os cabelos, uma cascata de beija-flor.

 

Malu é muito comilona:

Gosta de pão de queijo

Sorvete e maçã do amor

Doce de goiaba e bolo de chocolate com limonada.

 

Malu e as outras estrelas

Bordam o céu com delicados desenhos

Recheiam as nuvens com algodão

E, no final da tarde, colorem de vermelho.

 

À noite, Malu brilha intensamente

Em todas as luas

Ela sorri e nos convida

Para vermos a constelação inteira.

 




Rita Queiroz começou a escrever para o público infantil há pouco tempo, mais ou menos 3 anos, quando viu, em 2017, um edital da Editora Darda para o livro “Meus poeminhas infantis”. Foi, a partir de então, revisitar sua infância, escrevendo alguns poemas que rememoravam essa época. Participou depois de Meus poeminhas infantis 2, da mesma editora. Mas, uma amiga lhe chamou a atenção de que ela precisava pensar na infância da contemporaneidade, então passou a observar os sobrinhos e outras crianças, escrevendo poemas que tratavam do envolvimento dessa geração com as tecnologias, bem diferente daquilo que havia vivido.

Não parou mais de escrever para esse público, embora seu processo criativo varie de momento para momento. Há aqueles em que só escreve para adultos e há aqueles em que se volta para o infantil. Assim, foi participando de coletâneas, tais como: Histórias que vovó conta e Meu avô era assim (Editora Darda - 2018), Clássicos em poesia (Editora Darda - 2019), Meus primeiros versos – coletânea de poesia para crianças (Mulherio das Letras - 2019), Sorrir e sonhar: contos e poesias infantis (Editora Illuminare – 2019), Contos que a Bahia tem 1 e 2 (CALIIB – 2020, 2019), Pirlimpimpim (Editora Versejar – 2020) e Brincando com as palavras (Confraria Poética Feminina – 2020).

Após participar de coletâneas, resolveu em 2019 publicar seu primeiro livro solo, “Ciranda, cirandinha: vamos brincar com poesia?”, que saiu pela Editora Darda. Na sequência, agora em 2020, publicou “Bordado de sonhos” (Edição da Autora), e tem dois projetos em andamento, um com sua irmã, Márcia Queiroz, e outro com uma amiga de São Paulo, a Aldirene Máximo. Ambos estão em fase de diagramação e antes do final do ano serão lançados.

Escrever para o público infantil é uma experiência fantástica. A escolha das palavras, das imagens, das rimas faz com que imaginemos o que se passa na cabeça da criança e nos voltemos a ser como ela.”, comenta a autora.

Para adquirir os livros, acesse: www.ritaqueirozpoesiando.loja2.com.br



 /rita.queiroz.334




@ritaqueirospoesiando 
@bordado_de_sonhos

rcrqueiroz@uol.com.br






Comentários

PUBLICAÇÕES MAIS VISITADAS DA SEMANA

A terapia da palavra em quatro poemas da jovem escritora Maria Luiza Brasil

Cinco poemas de Eva Potiguar | Uma poética de raízes imersas

Improvisos & Arquivos | árvore/poemas - publicação coletiva

PodPapo 09 - entrevista com a escritora, editora e coordenadora do Focus Brasil NY Nereide Santa Rosa

A beleza no humanismo e na denúncia da poesia de Edir Pina de Barros

Um conto de Marithê Azevedo | "Céu Escuro"

Divina Leitura | As multiplicidades de "Santuário" de Maya Falks

Uma crônica de Guiniver | "Essenciais e Perfumados"

Quatro poemas de Helenice Faria | Uma poética da resistência

Três poemas de Dayane Soares | Uma poética do tempo e da ancestralidade