Um miniconto de Silviane Ramos | "De que cor ficou?"

Fonte: pixabay.com


Um miniconto de Silviane Ramos

De que cor ficou?

 

De que cor ficou é o que questiona Joana a Maria. Estavam discutindo sobre os coiós que vinham tomando nos últimos tempos. Maria, mais que depressa, suspira e diz, não ficou de cor nenhuma, ficou da cor de sempre, mas minha filha pode ir à escola.

Joana, indignada (mesmo que tenha tomado um coió), diz, Maria, cada vez que você é surrada a cor não muda? Sorte a sua! Eu preciso sempre disfarçar, disfarçar com maquiagem, disfarçar a voz barganhada, disfarçar "a tendência” do meu filho.

Maria, já cabisbaixa… suspira mais uma vez… Suspiro sentido, como se a surra tivesse sido ainda naquela manhã, e tinha!. Olha firme para Joana e diz, você não cansa? Não cansa de ver sua vida assim? Joana responde prontamente nessa confidência tão violenta quanto as surras, Maria, estou cansada, mas para que meu filho não tenha que disfarçar o resto da vida suas escolhas, eu faço isso! Assim como suas marcas não são as mesmas, a cor também não é!

Maria diz, apanhei ainda agorinha, porque Shirley saiu com roupa de rua, como o pai dela fala. Ele, sempre me culpando de tudo, ela sai e eu fico em casa a ser surrada, quando ela chega, já respondo logo que está tudo bem! (Há quantos anos!!) Temo por ela enfrentar o pai, e aí acontecer o pior, mas estou muito cansada, fraca, já não consigo esconder tanto… Tá vendo aqui, agora é com faca! Com faca, Joana!

Joana pega na mão da sua amiga, abraçando-a! Olham uma para outra, novamente firmam os olhares, e saem na rua, se despindo… gritam a cada peça de roupa retirada, até chegar na frente da delegacia somente com a parte íntima, aqui estamos nós vestidas de surra, e de várias cores.

Um coro só, aqui é Maria… e hoje a cor é vermelho, um pouco de roxo, mas o que escorre é vermelho, sangue talhado do coió que levei de manhã para minha filha poder estudar.

Aqui é Joana… e hoje, além de ter cor, tenho fala e voz, meu filho precisa viver, eu só quero viver!!

Entram para delegacia, registram suas queixas, ainda marcadas de vermelhos e roxos como roupas que travestem o corpo, o boletim de ocorrência desse dia, preto no branco, agora sem sangue!


Fonte: pixabay.com







Silviane Ramos é uma poeta e escritora mato-grossense. Doutoranda e professora de História, é autora de Pérolas negras: As mulheres de Vila Bela na luta pela afirmação da identidade étnica (2016). É uma das colaboradoras do site Parágrafo Cerrado e integra o Coletivo Literário Maria Taquara, ligado ao Mulherio das Letras - MT.








Comentários

  1. Texto forte, denso, autêntico! Infelizmente muito fiel a nossa realidade! O que falar dessa escritora? Silviane Ramos escreve com a alma, sentindo exatamente tudo que perpassa na vida dessas mulheres! Maravilhoso!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

PUBLICAÇÕES MAIS VISITADAS DA SEMANA

Machismo estrutural | Quando a imprensa também exclui as mulheres

Uma resenha de Marta Cocco | "Uma Diva na passarela estreita do Jabuti"

Um poema de Mar Becker | "à parte do reino"

Uma série pictórica de Neide Silva | Flores do Cerrado

Yedda Maria Teixeira | o prêmio da arte de amar

A poética que roça os sentidos | Banquete poético

Cinco poemas de Tatiane Silva Santos | "No sonho"

Era uma vez 11 I Literatura infantil inclusiva da brasiliense Alessandra Alexandria

De Prosa & Arte| Nosso Corpo não é Bagunça!

IX Tertúlia Virtual | Vozes e Olhares de uma Poética do Feminino