Isabel Furini & Luciane Valença | 5 poemas 5 telas




Atitudes femininas

Desenterrar os álbuns de fotografias
e triturar com os dentes as lembranças dolorosas
mastigar os rancores com gestos de troglodita
matar velhas ilusões como os santos e os eremitas

pendurar nas cortinas de crochê
as sombras da eterna mágoa e dos antigos amores
para que a luz do Sol elimine o mofo e as traças
que se alimentam das lembranças e das emoções

renascer como a ave Fênix – livre, cofiante
e decidida a iniciar uma nova fase da vida.

Luciane Valença

A voz do feminino

Nesta época de catástrofes a Lua é de renda 
e o Sol é de veludo dourado
e enceguece às mulheres
enquanto a Lua resplandece e fala
:
é preciso que o eterno feminino
seja transformado em um sino e que vibre nas gargantas

é hora de reunir forças
uma nova Idade Média está batendo à porta

é preciso defender com força a premissa
“nenhuma mulher deve ser submissa!”

Luciane Valença
Frágil?

Os corvos do ocaso
observam as gárgulas

os corvos decidem
desafiá-las
e fazem uma pergunta
:
como o amor 
(um ser frágil – porém ágil)
pode provocar o tremor e o terror?

respondem as gárgulas
(antigas e sábias)
:
- o amor assusta
pois obsessiona, tortura e desajusta.



Luciane Valença

 Linha do tempo

Observei o movimento curvo
de uma parte do rio
que arrasta antigas palavras
sombras e lembranças
e entendi que a mente é aquosa
e escorrega
entre as frestas do passado
e  do futuro

o presente é só uma ponte
viver o agora
ilumina a mente
e estremece a linha do tempo
viver o momento presente
ajuda a soterrar as sombras
e instiga a fixar os olhos
(sem medo)
na luz das estrelas longínquas.


Luciane Valença

  Destecer

às vezes, a boca emudece
e o coração finge que o naufrágio é ilusório

nesses momentos
alguns casais cedem à amargura
e mantêm o dedo em riste
mas outros potencializam a ternura

as brigas
destecem
destramam
desmancham
os sonhos
a ternura
e as urdiduras do amor

***

Isabel Furini é escritora, poeta e palestrante. Autora de 35 livros, entre eles, “Os Corvos de Van Gogh” (poemas). Participou de Antologias poéticas em Portugal, Argentina e Chile; é criadora do Projeto Poetizar o Mundo; membro da Academia de Letras do Brasil/Paraná; acadêmica da AVIPAF (Academia Virtual Internacional de Poesia, Arte e Filosofia); foi nomeada embaixadora da Palavra pela Fundação César Egido Serrano (Espanha), em 2017; recebeu Comenda Ordem de Figueiró, Artes e Cultura do Brasil; participou de exposições de Poesia no Brasil, Argentina, Colômbia e  Portugal; realizou um recital poético na 36a. Semana Literária do SESC & XV Feira do livro da UFPR, em 2017, e um Recital Poético bilíngue (espanhol/inglês) na Biblioteca Pública de Burlingame, Califórnia, USA, em 2018. Seus poemas foram premiados em Brasil, Espanha e Portugal.



*






Comentários

  1. Boa noite, belos poemas e lindas telas! Parabéns à Isabel Furini e à Luciane Valença!Abraços, Vanice Zimerman.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

PUBLICAÇÕES MAIS VISITADAS DA SEMANA

Era uma vez 11 I Literatura infantil inclusiva da brasiliense Alessandra Alexandria

Divina Leitura | O mito da beleza por Naomi Wolf e suas consequências para a vida das mulheres contemporâneas

Cinco poemas de Angela Dondoni | "Transmutar"

Tertúlia Virtual | uma ideia genial de Marta Cortezão

Tertúlias Virtuais | Poesia: a Arte do Encontro

Cinco poemas de Eva Potiguar | Uma poética de raízes imersas

Resenha do livro infantojuvenil A ÚLTIMA FOLHA, de Adriana Barretta Almeida

Um conto de Carmen Moreno | "Dora"

Três poemas de Maria Cleunice Fantinati da Silva | "Intensa(mente) temperamental"

De Prosa & Arte | Cumpleaños