Máyda Zanirato em 4 poemas



Versos Intransitivos
verbo l
ela conjugou amar
no presente
no passado
no futuro
ele no jamais
verbo ll
rasgou o verbo
ao meio
e quando quis depois
juntar as partes
viu que a conjugação ficara
no futuro do presente
indicativo de um amor
cortado
no passado
(no não mais)
Verbo lll
...e o verbo se fez verso
mas não se aninhou
entre nós


Encruzilhada

Enrola bem o xale no teu rosto
o fogo do amor já não aquece
a madrugada fria
Paremos um instante
Eu ficarei até fumares teu cigarro
não tenho pressa
Sei que mais adiante
eu me transformarei
em estátua de sal



No espelho (I)

Há um tempo em que o coração se cala
...................................os poros
...................................as veias
...................................a respiração
perguntam quem são e a que vieram
num corpo qu vai se tornando todo
...................................silêncio
........................................e
...................................interrogação



Da Série: Drummonianas

Há que ficar atento nestes tempos:
pode bem ser que neste instante
em simplicidade e beleza estonteantes
alguma flor
desafiando as incertezas do.momento
ouse furar o asfalto

Ilustrações: Telas da pintora Monika Luniak

***
Máyda Zanirato é paulista, vive atualmente em Santos, é professora aposentada, depois de toda uma carreira no magistério  em escolas públicas. Publicou pela primeira vez, em uma Antologia com suas irmãs, que são também escritoras e em outra, mais recente, organizada pelo saudoso Cairo Trindade. Tem publicações, nas duas últimas edições do Livro da Tribo.


Comentários

  1. Versos inquietantes e, por isso, maravilhosos. Sim, estão aí " desafiando as incertezas do mundo": a flor, a simplicidade, a poesia!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

PUBLICAÇÕES MAIS VISITADAS DA SEMANA

Mulher Feminista - 16 Poemas Improvisados - Autoras Diversas

Prosa Poética | Impiedosa Realidade, por Jeane Tertuliano

Poema | Sequela do Amor, por Jeane Tertuliano

Especial Literatura | Vinte autoras de/em Cuiabá

Três poemas e um conto de TAİ | "DIAMANTEMENTE NO CÉU"

Uma crônica de Dalva Maria Soares | "A janta tá pronta?"

Um conto de Evelise Pimenta | "Foi num sábado qualquer..."

Preta em Traje Branco | A autoestima concebida de Arleide Nascimento

coluna 02- Nas trilhas Femininas do Cordel

Preta em Traje Branco | Trinca de Versos de Valéria Mendonça