Maria Amélia Elói - Poeminha e conto

Fotografia por Marcelo Sena

Flor-essência
Quero mesmo é florescer.
Até toda flores ser.
(Maria Amélia Elói)

***


Veludo 
(por Maria Amélia Elói)
Programou-se para receber a segunda visita no quinze de abril. Desde então, esperou precavidinha por dezessete dias, trazendo sempre um protetor longo, almofadado e cheio de abas – matéria estranha que incomodava a menina e absorvia a espontaneidade de seus movimentos.
Com a prolonga da espera, a pele dos fundilhos foi ficando áspera e descamada, chegando a assar. Então, Janaína simplesmente desistiu do aguardo e parou de usar o monstrengo. “Viva. Estou livre.” Ficou feliz, porque não via vantagem nenhuma no tal presente mensal encarnado. Leu sobre mocinhas irregulares, que só sabiam falhar e falhar. “Oba. Deve ser o meu caso. Acho que agora vai demorar a vir de novo.”

Não queria ser chamada de pré, nem muito menos de adola, adolescente. Tudo ia muito bem, aquela infância confortável de novo. Janaína brincando, andando de bicicleta, cambalhotando, nadando na piscina da Bia, bailando o Just Dance, respirando, dormindo, agindo normalmente, sem sofrer sangramento.
Mas a regra percebeu a desobediência da menina e, só para provar que não aceitava freio, resolveu causar durante a aula de geografia. Desceu fluente e desembaraçada, breando a calcinha, a bermuda e a carteira onde se sentava, bem na primeira fileira. Ela se arrependeu do descuido quando sentiu a inundação avançando. Enfim era chegada a hora da hemo-hecatombe, e dentro da sala do 7° Ano B.

Devia ter se levantado logo que sentiu o primeiro pingo, mas ficou esperando. “Deve ser só impressão minha.” Mas o jato foi aumentando loucamente, e ela não achou jeito de se defender. Tocou a sirene baixa para o intervalo, e Jana não quis sair. Tocou a sirene alta da volta do recreio, e Jana sentada no mesmo lugar. Bateu a saída, agudíssima, e a menina ainda sem jeito de ir embora.
Previu o escândalo dos colegas quando vissem a supermancha. A turma do bullying adorava tirar sarro da cara dela! O bigodinho aparente, os cabelos armados sempre presos na faixa laranja, a sobrancelha lagarta de fogo... “Ah, preciso me desmaterializar agora.”
Foi o Bernardo, aluno mais inibido da turma, que chegou na maior naturalidade e, sem esparrar, tirou o próprio casaco e entregou na mão dela: “Pode ir pra casa com ele. Depois você traz pra mim.”

Nos quatro meses seguintes, Jana levou para a escola, dentro da mochila, o agasalho que tomou emprestado de Bernardo. Queria devolvê-lo limpo, cheiroso, bem dobrado e embalado, como novo. Queria dizer seu obrigada. Mas o menino faltou à aula todos esses dias.

O professor de ciências explicou que o aluno estava afastado para se tratar de uma doença grave. Parece que o sangue dele estava estragado. Jana não conseguiu entender bem. Não sabia se era anemia, leucemia ou mal de outra cor, se o sangue dele estava forte, claro demais ou escuro demais. Não sabia se ele podia receber doação de A ou B ou se nada disso adiantava. Não sabia se Bernardo ainda tinha cabelo, se estava consciente, hospitalizado. Demorou. Os colegas nem lembravam mais o rosto do Bernardo. A voz é que não lembravam mesmo.
Foi só quando o ciclo da Jana ficou mais regulado (e ela já aceitava e entendia melhor a visitinha sangrenta) que o colega retornou para a escola, cabelo apontando. Estava magro e pálido, mas oitenta e cinco por cento sarado.


Em casa, à noite, depois dos remédios, quando se preparava para dormir, Bernardo pôs a mão num dos bolsos de dentro do moletom do uniforme e encontrou um pacotinho macio e misterioso. Desembrulhou o pequeno presente de veludo, que estava bem dobrado. “Um absorvente?” – lembrou-se dos que tinha visto no comercial de um canal do YouTube. Quando abriu o mimo branco, viu que a face de dentro trazia uma breve oração caligráfica, escrita de caneta vermelha: “Pela cura do Bernardo. Amém.”

***


*Maria Amélia Elói nasceu em 1973 em Taguatinga, DF. Jornalista e mestre em Teoria da Literatura pela Universidade de Brasília, foi premiada em 2009 no III Concurso Literatura para Todos, do Ministério da Educação, com a obra “Poesia torta”. Em 2001, ganhou o Prêmio Nestlé/MEC pelo ensaio “Ideias a Mais!: a crítica literária no JB e na Folha de S.Paulo no ano 2000″. Em 2016, publicou o livro de crônicas “Um milagre para cada corcova”, pela Editora Penalux. Em 2017, participou da antologia de contos “Novena para pecar em paz,” também pela Editora Penalux. É integrante dos coletivos Mulherio das Letras e Instituto Casa de Autores. Há 15 anos, é servidora da Câmara dos Deputados, onde desenvolve projetos culturais.

Comentários

  1. Os contos da Maria Amélia Elói sempre emocionam. A profundidade que só textos simples bem escritos escondem. Sou fã.

    ResponderExcluir
  2. Muito lindo e de uma ternura e delicadeza imensas! Parabéns!

    ResponderExcluir
  3. Muito lindo e de uma ternura e delicadeza imensas! Parabéns!

    ResponderExcluir
  4. Parabéns Amélia! Estou com os olhos molhados. Sensível, nesse assunto que marca a vida feminina.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

PUBLICAÇÕES MAIS VISITADAS DA SEMANA

A poesia bela e visceral de Jade Luísa

Uma Colher de chá pra ele - Fabrício Brandão

Quatro poemas de Rita Delamari

Improvisos & Arquivos 06 | O que eu observei nessa pandemia - publicação coletiva

Zezé Freire | 4 poemas

Camila Pina | Uma pausa pra falar de gênero

Coluna | Ouvindo Mulheres 11 - O poder sagrado de Auritha Tabajara

Isabel Furini & Luciane Valença | 5 poemas 5 telas

Fotografia 7 | Projeto Pixel Ladies + Revista Ser MulherArte - Gabriela Radde