Resenha do livro 'Encontros Desconcertantes', de Priscila Prado


(capa do livro Encontros desconcertantes)


PORQUE VIVER 'É POESIA QUE SE DESCONCERTA'

por Nic Cardeal 


Na obra ENCONTROS DESCONCERTANTES (Curitiba: Insight, 2018), a poeta PRISCILA PRADO faz  poesia com palavras e imagens, numa mistura incrivelmente deliciosa de ver - e ler! Como muito bem dito na quarta capa, "encontros desconcertantes é palavra e imagem. É poesia que se desconcerta quando encontra o olhar, a escuta, a alma do leitor. Desconcerta-se e segue. Aberta".

O livro todo mergulha nesse recorte mágico entre imagem e palavra e, sendo assim, o que a palavra não alcança, a imagem que a circunda dá conta de o fazer, e vice-versa (ou vice-verso?), num encantador jeito de fazer acontecer o encontro com o 'mundo', com o 'outro', com o 'limite', o encontro com o 'tempo', com a 'poesia', com a 'natureza', para, ao final, reverberar tudo isso bem fundo, no encontro 'consigo' mesma.

Na busca da poética do encontro com o mundo, a autora viaja, literal ou linguisticamente, nos voos da alma ou nos passos chão a chão, porque para Priscila viajar é "apropriar-se de cada destino/até ao mundo todo/pertencer" (2018, p. 9). Nesse encontro com o mundo o caminhante é talvez o protagonista mais importante da palavra poética, porque são seus passos pelo vasto mundo - do real ou da imaginação - que trazem ao coração a palavra a ser dita, poetizada na medida certa. Até a metrópole encontra lugar no olhar de Priscila, porque a cidade acolhe a vida, o homem, a tristeza, a saudade e a alegria - a cidade é a casa das dicotomias, sintonias e dissonâncias humanas. Assim, o mundo vai se transformando em um verdadeiro quadro de recortes, "fragmentos de um mesmo universo/coisas implícitas, outras cifradas (...)" (2018, p. 13), porque até as lembranças, o futuro, o verde do dia e o negro da noite, são preciosidades na poesia que se descortina sob o olhar de Priscila, que capta o essencial do ser urbano para dizer o cosmos "mundo afora, Universo adentro" (2018, p. 16). Enfim, o encontro com o mundo pode dar-se, inclusive, na palavra ambígua da busca, quando, "na ânsia de ser amado,/frequenta-se todos os lugares/onde o amor/não pode ser encontrado" (2018, p. 24).

A poeta vai ao encontro do outro por meio de recados poéticos, flertes de olhares dados aos sentidos, no prazer da fruta e do fruto, porque no fundo, bem no fundo, "todo mundo quer ser feliz" (2018, p. 33). Para a autora pode até ser que o outro esteja entre as páginas de um livro lido, descoberto no sebo, entre medos, suspiros, risos escondidos que se escancaram ao estampido das palavras então libertas! Também o outro pode estar no meio da noite, na calçada, na estrada vazia, no jornal que descreve as mazelas na etiópia ou na dinamarca. Há que sempre buscar o outro pela poesia, é como entendo a poeta Priscila, nesses encontros desconcertantes que buscam consertos (e concertos!) à alma e ao coração errante. Por isso a premente necessidade de faxina - aquela mesma de lapidar arestas, recortar bordas pontiagudas, refazer ranhuras, costurar defeitos e desfeitos, entender dos medos, das raivas guardadas, de expectativas desconhecidas... "até  chegar a este lugar que desconheço: o amor" (2018, p. 42). 

Para encontrar o limite (que pode ser o avesso, o começo, o abismo, a planície, a vida aqui ou a vida lá, o muro, a memória do muro, a trégua - bandeira branca que ao vento balança  - o real ou a ilusão, até chegar a morte pra dizer a todos '- daqui mais não!'), a poeta faz da palavra a linha que se estica toda e um dia arrebenta, porque para ela "a morte dá um medo/ - mas a eternidade,/uma preguiça!" (2018, p. 57). E o limite da poesia, que se desconcerta nesse encontro, pode estar até na medida do mal, porque "do mal só a porção exata/e necessária:/a dose homeopática/capaz de despertar/a possibilidade/do bem" (2018, p. 58). Porque o limite também é a vastidão do oceano, o navegar no mar, o entender que "o inferno/é  não compreender o idioma/da alma" (2018, p. 62).

Priscila também busca o encontro com o tempo, em suas mãos que desenham poesia nas imagens recortadas dos olhos e materializadas em fotografias e palavras, numa incrível descoberta arqueológica dos sentimentos do mundo. Priscila de fato encontra, desconcertante, o tempo nas próprias memórias que, vez ou outra, passam-lhe despercebidas. As paisagens, ao tempo tão antigas, as memórias, as histórias, sempre tão antigas, desconcertando a vida que passa - sem ser percebida - deixando saudade, alvorada, ilusão, fazendo-nos pensar que "numa aurora qualquer/sem melancolia/o barco partirá/deixando acenos/e costas" (2018, p. 81).

Para encontrar com a poesia a autora veste-se de pescador, de isca, de peixe, até de poema, de dilema de dizer a palavra bem dita. Para encontrar com a poesia é preciso esquecer a poesia, mergulhar na palavra, "aceitar o risco/da palavra/ousar a lavra/lavrá-la - lavrar-se (...)" (2018, p. 88), porque em Priscila "o poeta vive de aparar arestas/estas/que há entre palavras/sentidos/minhas e tuas" (2018, p. 89). E a resposta à poesia vem da fonte: "- não,/a poesia não  é útil:/é essencial!" (2018, p. 94).

Para o vital encontro com a natureza, a autora ara a terra em busca de vida, caminha pela alameda, vê o peixe no espelho d'água, "a areia a modelar o coração" (2018, p. 107), observa o poente e as sombras que o preenchem, sente o universo, o espaço, o firmamento, os ipês e as "nuvens até/fustigadas pelo vento" (2018, p. 113). Porque até o desconcertante encontro de si com a natureza pode ocorrer em insustentável leveza, ainda que por um instante seja possível que se esqueça que todos por aqui apenas passamos, "e nada foi feito para se guardar" (2018, p. 118). 

Ao final, ao encontro consigo, a poesia de Priscila descobre "clandestinos,/anseios aventureiros/na viagem a si" (2018, p. 123). Nessa viagem a poeta escreve nas paredes das cavernas (da alma), sonha asas em suas costas (da alma), leva a solidão a passear "em queda livre no abismo da existência" (da alma) (2018, p. 126), encontra a criança nascida em si, chorando "como quem nasce" (2018, p. 127). Porque em si, em nós, "ante olhares indiscretos, indiferença,  julgamento, troça/estamos todos em obras/com as entranhas expostas" (2018, p. 135) - porque viver, de fato - é fato - é estar 'em obras'!

Assim, está feito o trajeto de Priscila nesse 'encontro' poético: é preciso que a palavra viaje no mundo, faça contornos no outro, abranja volumes no todo e nas partes para compreender seu limite, aos ponteiros do relógio faça voltas no tempo, desenhe poesia no arado da linha, observe e absorva o essencial da natureza, até que se depare no encontro, ainda que desconcertante, consigo - na alma do regozijo!


(fotografia do acervo da autora)

PRISCILA PRADO é escritora e advogada. Finalista do Prêmio Jabuti 2013 com o livro interativo de poesia ilustrada Preguiça, coragem e outros bichos (edição própria,  2012).

Também é autora de A qualquer momento agora (poemas,  2005); No olho do paradoxo (poemas,  Curitiba: Editora Insight, 2015); e Alas, pétalas & labaredas (poemas, Curitiba: Editora Bolsa Nacional do Livro, 2016). 

Atuante em coletivos de incentivo e divulgação de literatura infantojuvenil e de autoria de mulheres. Site: www.priscilaprado.com 

Comentários

PUBLICAÇÕES MAIS VISITADAS DA SEMANA

Cinco poemas de Jacinaila Louriana Ferreira | "a voz que insiste em gritar"

Poemia 01 | Tempo - por Chris Herrmann

Mulher Feminista - 16 Poemas Improvisados - Autoras Diversas

Elas me fazem de gata e alpercata | Desfile de meowdas 1 - Publicação coletiva

Coluna 04 | Mulherio das Letras na Lua - JAMMY SAID (Brasil)

Preta em Traje Branco | Dois Versos Vibrantes de Oyá

Coluna 04 - In-Confidências por Adriana Mayrinck

Comentário afetivo (resenha) sobre o romance O CORAÇÃO PENSA CONSTANTEMENTE, de Rosângela Vieira Rocha

Façanha Feminina | Sarau na Favela

Coluna 03 | Mulherio das Letras na Lua - CECÍLIA DIAS GOMES (Portugal)