Tere Tavares | Canções mínimas

 

Poente. Tere Tavares.

Tere Tavares:

Canções Mínimas 


Sororidade. Frater. Toda a cor é coração!


*


Que o vento se amacie para acarinhar as flores. Do cipó-de-são-joão. Há néctares bordando os caminhos. Como as frases que brotam e borbulham. Das escolhas que se ampliam com o badalar dos sinos. Quando te excluis das alcateias. E o escuro se apaga em cálida lã.



*


Pequena grande descoberta.

O ano novo é apenas um número inventado uma vez que o tempo não passa. Mas nós.



Rosas Celestes. Tere Tavares.


Há um nobre motivo para tudo o que é breve. O pacto com a eternidade.


*


A mais legítima crença é o amor.


*


Porque o amor e a vida são uma só matéria.



Rosas Pequenas. Tere Tavares.


Colibri. Hoje há sinais de pausa. Sem o repouso das asas. Gruda teu corpo minúsculo no balanço do galho. Que o vento não te mantém suspenso. Tem contigo a despretensão de um mínimo salto. O sabor dos avivados. A astúcia dos peixes. A rede rendida. A rosa purpúrea finalmente pura. Quando se esquece que o colibri tem pés muito leves para pousar no solo e vê por cima d'água. Cadência de vidraças.



*



Quando se tem na fala o rubor da face. Não compreenderás o contexto que só o tempo confere. O que tu lês o que tu vês o que gostarias fosse algo que pudesses alcançar é uma figura executada a bico de pena. Desconforto. As experiências de cada um são únicas e intransferíveis. Mesmo o que se julga longínquo está próximo. Não é simples antítese ou mera metáfora. Caminha-se sobre terrenos movediços. A cada avanço há probabilidades de vacilar vencer ou sucumbir. Ter segurança em si mesmo significa saber disso. E mesmo assim continuar a percurso ainda que com velhos chinelos. São os riscos e as emboscadas que aguçam os sentidos. Goza o instante. Porque nada volta nem retorna.



Flores. Tere Tavares.




Tere Tavares, escritora e pintora, residente em Cascavel, PR, Brasil, autora de nove livros publicados: “Flor Essência” (poesia 2004), “Meus Outros” (poesia 2007), “Entre as Águas” (contos 2011), “A linguagem dos Pássaros” (poesia Editora Patuá 2014), “Vozes & Recortes” (contos Editora Penalux 2015), “A licitude dos olhos” (contos Editora Penalux 2016), “Na ternura das horas” (ensaios Editora Assoeste 2017), “Campos errantes” (contos Editora Penalux 2018), “Folhas dos dias”, e-book, (Ensaios, Selo Ser MulherArte Editorial, 2020). Integra várias Antologias e Coletâneas, no Brasil e no Exterior. Conta com vasto material publicado em revistas eletrônicas no Brasil e no Exterior. Integra a Academia Cascavelense de Letras.


 


Comentários

  1. Obrigada à Revista Ser MulherArte pelas publicações.
    Obrigada Sandra Godinho, Lourença Lou e Esther Alcântara, pelas leituras e ecos.
    Abraços!

    ResponderExcluir
  2. Terê tem uma escrita elegante e sedutora. Suas pinturas transcendem na alma. Parabéns, querida.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

PUBLICAÇÕES MAIS VISITADAS DA SEMANA

Mulher Feminista - 16 Poemas Improvisados - Autoras Diversas

200 palavras/2 minicontos - por Lota Moncada

De vez em quando um conto - Os Casais - por Lia Sena

Nordeste Maravilhoso - Viva as Mulheres Rendeiras!

Preta em Traje Branco | Cordel reconta: Antonieta de Barros de Joyce Dias

Cinco poemas de Eva Potiguar | Uma poética de raízes imersas

A POESIA FANTÁSTICA DE ROSEANA MURRAY | PROJETO 8M

Uma resenha de Vanessa Ratton | "Caminho para ver estrelas": leitura necessária para a juventude

Resenha do livro juvenil TÃO LONGE... TÃO PERTO, de Silvana de Menezes

Resenha 'afetiva' do livro O VOO DA GUARÁ VERMELHA, de Maria Valéria Rezende