Crônica | Sobre inclusão e suas pequenas revoluções


Crônicas que as lembranças
me embrulham de presente - 15



SOBRE INCLUSÃO
e suas pequenas revoluções
por Chris Herrmann

Há 26 anos eu trabalhava em uma empresa no Rio de Janeiro como secretária executiva na diretoria de uma multinacional. Havia uma outra secretária que veio trabalhar conosco “emprestada” de uma firma pequena (brasileira) e foi ficando. Ela era semi-cadeirante e não faltava muito para sua aposentadoria. Poucas vezes tive uma colega de trabalho tão competente, eficiente e gentil. Fizemos amizade.

Fui me revoltando a cada dia mais em ver que, pela condição de deficiente física, ela continuava a ser explorada. Nunca recebeu mais que um salário mínimo em quase toda a sua vida. Para resumir, depois de cerca de um ano que ela estava conosco eu intercedi tanto que meu emprego ficou por um fio. Mas não me arrependo um segundo da confusão que causei naquela diretoria. Minha mãe, muito religiosa, rezou para todos os santos para que eu não fosse despedida. E não fui. Tudo se acalmou e a minha amiga deixou de ser “emprestada” para ser contratada e receber um salário à altura do seu trabalho. Ela só soube da história depois que estava tudo bem. Não deixei que soubesse antes porque tenho certeza que ela se sentiria culpada e sofreria muito por mim.

Ela finalmente se aposentou com um salário digno, não como a escrava que foi durante mais de vinte anos com o empregador anterior. Um empresário rico que tinha sido inclusive senador. Ele não precisava, mas explorou uma deficiente por mais de duas décadas. Como pôde? Terrível pensar que isso ainda aconteça tanto por aí e não somente no Brasil. Se ninguém reage, se ninguém denuncia, se ninguém põe a boca no trombone, nada muda. No meu caso, o risco valeu a pena e eu faria de novo. Se eu tivesse sido demitida? Eu teria tido muito mais chances de conseguir outro emprego. Ela, deficiente e com idade avançada, praticamente nenhuma. A inclusão demorou muito para chegar a ela, mas lhe garantiu uma vida e aposentadoria mais dignas. Foi merecida.




Comentários

  1. Impressionante como a inclusão é sempre algo esquecido. Por mais que haja lei para que empresas manifestem "empatia" a tal iniciativa de dar oportunidades a quem as necessite para mostrar suas qualidades apesar das dificuldades que físicas que apresentam .Ótimo tema.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade, Adriana. Infelizmente, ainda ocorre muito esse tipo de preconceito e covardia com as pessoas portadoras de deficiências. É preciso sempre conscientizar e relembrar isso, e a única forma é não se calar quando ocorre ao nosso redor. Obrigada pela leitura.

      Excluir

Postar um comentário

PUBLICAÇÕES MAIS VISITADAS DA SEMANA

Mulher Feminista - 16 Poemas Improvisados - Autoras Diversas

Especial Literatura | Vinte autoras de/em Cuiabá

Cinco poemas de Marta Valéria Aires F. Rosa | "Respiro lentamente o prazer da criação"

Três poemas e um conto de TAİ | "DIAMANTEMENTE NO CÉU"

Uma crônica de Dalva Maria Soares | "A janta tá pronta?"

Um conto de Evelise Pimenta | "Foi num sábado qualquer..."

Preta em Traje Branco | A autoestima concebida de Arleide Nascimento

Preta em Traje Branco | Trinca de Versos de Valéria Mendonça

Resenha do livro infantojuvenil de poemas, POEMEAR DE PERNAS PRO AR, de Adriana Barretta Almeida

MulherArte Resenhas 09 | Aos 86, Eni Fantini lança seu primeiro livro e nos ensina a libertar por meio da arte