De Prosa & Arte | Religare e Recomeço

 


Coluna 13


RELIGARE e RECOMEÇO



Estamos vivendo o caos político e religioso vemos atrocidades sendo cometidas em nome da religião no cenário mundial.  Racismo, Preconceito, Xenofobia, Homofobia, são o mote da atuação desses políticos-religiosos, que entendem apenas a verdade inerente ao seu próprio umbigo. 


O Astral da Umbanda tem reforçado  nas minhas reflexões que sempre foram espiritualistas, que o tônus vibratório de uma civilização também determina sua condição de ascensão e/ou sofrimento.

Política e religião nunca estiveram separadas, precisam ser sempre analisadas em suas especificidades e tratadas como elementos que perfazem nossa condição de ser social. A primeira Polis é um conceito que precisa ser aprendido e revisitado coletivamente. A segunda não é obrigatória ou universal, é apenas uma escolha.


Estamos envoltos em pensamentos que infelizmente são consumistas, capitalistas, egoístas, traduzindo nas  comunidades um pensamento individualista pernicioso. Falta solidariedade a quem realmente poderia e deveria dividir, amparar e acolher. Falta-nos humanidade. Enfim, a hipocrisia humana.


Por isso, entendo fundamental e necessário pra mim que faço trânsito na seara da religião, agradecer cotidianamente àquela força imaterial, superior, infinita, às vezes baseada em crença e fé. Outras vezes, pautada na Ciência. 


Alguns chamarão de Deus, outros de Olorum, Krishina, Jah, Brahma, Allah, Jeová.

Outros vão dizer que na verdade trata-se de uma Deusa com o Poder do Sagrado Feminino. 


Alguns cultuam orixás, deuses, santos ou nada. Existirão aqueles que vão dizer que tudo isso é uma grande balela: Ateus ou Agnósticos. Algumas pessoas vão nos saudar com Paz de Cristo, Saravá, Namastê, Glória a Deus. Não importa! 


A orientação religiosa é apenas uma das características de cada pessoa. Porque outras características nos perfazem diariamente. E a alegria de cada lugar reside na possibilidade de congregarmos ações, paixões, fé, a falta dela, humanidade, civilidade, alteridade, respeito e principalmente conhecimento e aprendizado que se faz numa via de mão dupla. Em que se ensinando, também se aprende! O negacionismo, a alienação, a arrogância pondo à prova vidas menos favorecidas, capitalizando a morte e revelando abutres.


Por isso, firmo minha cabeça no Astral que me fortalece. Mas venho conhecendo tantos seres de luz que apenas creditam nossa existência à Ciência e tem dimensão que as construções sociais produzidas são capazes de nos levar ao declínio e a involução, apenas porque muitos insistem em viver de um senso comum desumano, competitivo e arcaico. 


Esses meus iguais em reflexão, não menos religiosos a meu ver, porque essa ligação não necessita títulos ou competição me ensinam diariamente e respeitam quem eu sou. 


Então, se você: bate palmas para o pôr do sol, ajoelha-se em frente a um altar, entoa no myo ho ren gue kyo, bate cabeça num Congá, saúda os tambores, canta Hare Krishina, entoa louvores ao Senhor Jesus, faz ritos circulares em cânticos binários para homenagear as forças da natureza, guarda às sextas-feiras, ou simplesmente não faz nada disso.

Encontre o seu lugar nessa construção coletiva para o Bem Viver!


A prerrogativa de sucesso em qualquer comunidade é o respeito às diferenças e singularidades. Todas elas: as étnicas, de gênero e sexualidade, as intergeracionais, as das pessoas com deficiência - sujeitos de direito, religiosas e sociais, entre colegas, colaboradores, gestores ou qualquer âmbito social de convívio.


Que neste breve momento de reflexão, nossos pensamentos de paz, coragem, harmonia e felicidade sejam agora essa força motriz, que nos impulsiona a seguir, que cada um a seu modo agradeça a essa vibração que emana de nós. e Alce seu voo. Se puder encontrar o olhar de outra pessoa, simplesmente diga a ela:

“_ Te respeito por quem tu és!”
E então terás entendido o verdadeiro significado da palavra RELIGARE!

Que seja sempre possível recomeçar.









Comentários

PUBLICAÇÕES MAIS VISITADAS DA SEMANA

Um conto de Maria Amélia Elói | "Fécula"

Cinco poemas de Claudia Miranda Franco | "Moenda"

Sete poemas de Rozana Gastaldi Cominal | "Aos protagonistas da cultura viva"

Coluna 01 - In-Confidências - Apresentação, por Adriana Mayrinck

Coluna 02 | Fala aí... Isabel Bastos Nunes (Portugal)

Coluna 01 | Fala aí... - Apresentação, por Adriana Mayrinck

PONTE-AR: literatura preta em dia(logo) | Na moda - Catita

Coluna 01 | Mulherio das Letras na Lua - Apresentação

A poesia tocante de Wanda Monteiro

Coluna 04 | Fala aí... Terezinha Malaquias (Alemanha)