Preta em Traje Branco | Fotopoesias encorpadas de Susana Malu Cordoba


Coluna 10 

Foto por Sonia Regina Bischain


Fotopoesias encorpadas de Susana Malu Cordoba

A foto marca o início, a descoberta da palavra. Foi ali que toda uma vida anterior se esvaiu por entre os meus dedos. Discreta e invasiva  a poesia marcava esse corpo de carne e ego.

Primeiro, consumiu meus olhos, no espelho e nas fotos passei a carregar novos  olhos que não os meus, os olhos antigos foram arrancados e me deram esses de presente, esses que se prendem no horizonte e sem motivo algum se perdem no amontoado de casas sem reboco.  

Depois me arrancou a voz, mas não toda a voz, me arrancou aquela voz antiga precoce que antecede a dor, também me tirou a pele... essa roupagem talhada de estigmas.

Invasiva a poesia vem e me imputa novas vestes e a pele de hoje é tão frágil quanto a certeza de que um dia ensolarado é um dia feliz.

Agora ela deu de mexer com minhas mãos essas que até ontem eram mãos de trabalho, mas que hoje se revolta... se rebela, sinto que perderei minha mãos da mesma forma com que vi se perder aquela mulher de blusa florida na foto.


****************


Algumas de nós não poderão ser domesticadas

E as essas talvez reste um certo silêncio

Desses que ainda não é solidão

Mas que se toca com demasiado cuidado


De longe elas parecem espelhos d'água e por isso causam medo

Há algo ali que se rompe 

e quando retorna já não é o mesmo

É como se elas carregassem o ininterrupto espanto de existir

Algumas de nós não poderão ser domesticadas

E a elas  talvez reste um olhar desconfiado

 por que sendo bicho, ainda não é mulher 

e a dor às vezes cega


Algumas de nós não poderão ser domesticadas

Mas sendo quase mulheres poderão ser atrizes

 camaleoas no cenário da vida.


Algumas de nós não poderão ser domesticadas 

e também não serão camaleoas 

essas costumam ser as que queimam de amor ou desamor, 

elas queimam simplesmente por existir,


Loucas, subversivas, indigestas

E contrariando a eles... os donos de tudo

Ficarão para sempre na história,

um dedo na ferida do patriarcado.


 


Susana Malu Cordoba, 32 anos, paulistana moradora da Vila Brasilândia, mais precisamente no bairro Jardim Elisa Maria. Formada em Recursos Humanos, é diretora sindical do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região e por via desse sindicato atua no núcleo da diversidade racial. É poeta e iniciou seu contato com a poesia através do Sarau Elo da Corrente em 2016. Desde de então vem escrevendo pequenas prosas poéticas.


Foto por @soniareginabischain (Instagram)




Comentários

PUBLICAÇÕES MAIS VISITADAS DA SEMANA

Mulher Feminista - 16 Poemas Improvisados - Autoras Diversas

Nordeste Maravilhoso - Viva as Mulheres Rendeiras!

Preta em Traje Branco | Um passeio no Atelier de Lelé Gomes

A POESIA DE LIGIA SAVIO - por Nic Cardeal

Divina Leitura | Temporada de infantojuvenis em Mato Grosso

Resenha 'afetiva' do livro O VOO DA GUARÁ VERMELHA, de Maria Valéria Rezende

Para não dizer que não falei dos cravos | Cinco poemas de Luiz Claudio Tonchis

Prosa Poética | Parece Mentira, por Jeane Tertuliano

Cinco Poemas de Rejane Aquino

Resenha do livro juvenil TÃO LONGE... TÃO PERTO, de Silvana de Menezes