UniVerso de Mulheres 12 - A voz da selva na poesia de Sandrinha Barbosa, por Valeska Brinkmann




UniVerso de Mulheres 12

                                                                                                    Foto © Luciana Frazão



  A voz da selva na poesia de Sandrinha Barbosa, por Valeska Brinkmann




Eu selvagem

 

selvagem
como as pedras
não polidas e intocadas

selvagem

como o fogo
o sol do meio-dia
e as grandes tempestades

selvagem

como os terremotos
maremotos
secas e enchentes

selvagem

como a pororoca
amazônica
que em sua passagem
arrasta o tudo e
o todo

selvagem

como a febre alta
como a ferrada de arraia
e o choque do puraquê

selvagem
como a noite sem fim
sem luz e
sem som
repleta de pesadelos

selvagem

assim eu sou assim estou
seria uma certeza ou auto-defesa?
não sei explicar
mas por alguns instantes
ao deixar a selva
encontro vocês:
amigos fiéis
que tanto falam, brincam e sorriem

em seus olhos
quanta esperança
firmeza e carinho
traduzidos a mim

selvagem

em jeito de luta
persistência e não desistência

o oxigênio
a segurança
a brisa morna
que toca em meu rosto
eu, selvagem!


                                                                            §§§§


Transe

porém … nessa noite não
nessa noite foi diferente
nessa noite vi meu espírito
no olhar assustado do caititu
no banzeiro e no repiquete dos rios
no leite branco da seringueira
no alto da pupunheira
e no perfume da raiz do patchulin
vi meu espírito traquino e moleque
nos rastros da cobra grande
na magia sem fim da mamãe-da-água
e no boto (homem) cor-de-rosa
vi meu espírito arrastar guizos no rabo das cascavéis
despertar instintos ferozes de sobrevivência
no dorso dos felinos
nessa noite vi meu espírito
nas orquídeas e nas samambaias
nas canaranas dos igarapés
no canto suave e mágico do Uirapuru
e no voo silencioso das gaivotas
nessa noite
nessa longa noite
fui apenas eu:
mansa e selvagem
vivendo e sobrevivendo
dessa milenar Amazônia




Sandrinha Barbosa é descendente do povo indígena Xokó, originário do Sergipe, nasceu na Amazônia brasileira quando seu povo para lá emigrou. Aos 4 anos de idade foi iniciada na Pajelança pelo seu avô. Estudou medicina ocidental em Manaus e medicina natural em São Paulo. Vive em Kaiserslautern, na Alemanha, onde junto com o marido forma o Duo Igapó, projeto de música brasileira. Escreve prosa e poesia. Em 2019 publicou na Alemanha o livro de poemas Igapó, pela BoD.

https://www.bod.de/buchshop/igapo-sandrinha-barbosa-9783749434848






Comentários

PUBLICAÇÕES MAIS VISITADAS DA SEMANA

Cinco poemas de Jacinaila Louriana Ferreira | "a voz que insiste em gritar"

Poemia 01 | Tempo - por Chris Herrmann

Mulher Feminista - 16 Poemas Improvisados - Autoras Diversas

Elas me fazem de gata e alpercata | Desfile de meowdas 1 - Publicação coletiva

Coluna 04 | Mulherio das Letras na Lua - JAMMY SAID (Brasil)

Preta em Traje Branco | Dois Versos Vibrantes de Oyá

Coluna 04 - In-Confidências por Adriana Mayrinck

Comentário afetivo (resenha) sobre o romance O CORAÇÃO PENSA CONSTANTEMENTE, de Rosângela Vieira Rocha

Façanha Feminina | Sarau na Favela

Coluna 03 | Mulherio das Letras na Lua - CECÍLIA DIAS GOMES (Portugal)