Caderno de Arte 02 | Das ruas para nossas casas, por Lu Valença

|  Caderno de Arte 02  |

Das ruas para nossas casas
por Lu Valença

Ela está representada nos muros das grandes metrópoles, em algumas ocasiões de forma mais sofisticada, em outras de forma bem simples e quase imperceptível. A técnica do Stencil Art foi desenvolvida nos anos 30, pelos artistas da Ècole de Paris. Procedimento de impressão utilizado pelos grandes pintores, inclusive no renascimento.

Stop and Search - Banksy 

Nos idos dos anos 70 a técnica foi adaptada para as artes plásticas contemporâneas por Alex Vallauri, abrindo assim caminho para outros artistas.

Alex Vallauri

Stencil Art, a principio não usava as telas convencionais, mas sim as paredes urbanas para expressar a sensibilidade, protestos bem humorados, críticas ao sistema, ou pelo simples fato de ser uma arte. Uma arte que não se dobra a qualquer conformismo social ou econômico. Livre de diretrizes e da comercialização em outros tempos...

A dupla de artistas italianos Sten e Lex que hoje figuram em livros de arte, criou cartazes em stencil que são cortados meticulosamente e colados sobre um painel de madeira.

Sten e Lex

Procurando uma maneira mais rápida de pintar, Banksy decidiu que o stencil seria seu novo tipo de grafite. A forma mais comum de arte de rua que Banksy usa são estênceis. Geralmente, eles estão na forma de estênceis de várias camadas e / ou combinados com outras fontes de mídia, como tinta em spray.

Game Changer - Banksy

Um novo trabalho do misterioso artista, em homenagem aos trabalhadores da saúde, foi apresentado em um hospital britânico. A imagem emoldurada, intitulada “Game Changer”, mostra um menino sentado no chão brincando com um brinquedo de super-herói de enfermeira. Os brinquedos de bonecos do Batman e do Homem-Aranha estão em uma cesta de papel ao lado do garoto.

O artista deixou um recado para os funcionários do hospital, dizendo: "Obrigado por tudo que você está fazendo. Espero que isso ilumine um pouco o local, mesmo que seja apenas em preto e branco".

Ray Charles - Adriana Ninsk

No Brasil, a artista multimídia Adriana Ninsk, vem se destacando nesta técnica, retratando a cena musical que vivencia ou que fez parte da sua construção como cantora e compositora.

A arte questionadora das ruas, tomou de assalto nossas casas. Que bom!

Paz e Arte!

Comentários

PUBLICAÇÕES MAIS VISITADAS DA SEMANA

A terapia da palavra em quatro poemas da jovem escritora Maria Luiza Brasil

PodPapo 07 | Entrevista com a cantora e multiartista Lica Cecato

A beleza no humanismo e na denúncia da poesia de Edir Pina de Barros

PodPapo 09 - entrevista com a escritora, editora e coordenadora do Focus Brasil NY Nereide Santa Rosa

Um conto de Marithê Azevedo | "Céu Escuro"

Para não dizer que não falei dos cravos | Poemas e videopoemas de Rogério Bernardes

Três poemas de Dayane Soares | Uma poética do tempo e da ancestralidade

Um miniconto de Silviane Ramos | "De que cor ficou?"

Quatro poemas de Helenice Faria | Uma poética da resistência

Divina Leitura | As multiplicidades de "Santuário" de Maya Falks