Os Tons da Poesia de Alexandra Patrocínio / seis poemas

Gabriel Moreno


Transitoriedade

Será a vida só isso mesmo:
Vapor de um trem
que não existe mais?

Cartografas faciais
onde escapam
vivências?

Duras são as dobras da testa
que, como leques fechados,
retêm o suor do labor.

Como água em mãos de criança,
é o contar das horas;
ninguém a detém.

Tudo é tão incerto!
A vida segue ameaçada;
a bala que voa à qualquer hora
aguarda à espreita de um corpo.

Mas a alma é indomável;
não aceita rédeas,
nem teme a morte:
destino de todos.

**

Memórias


A lâmina de chá
         [na xícara]
reflete um olhar triste
carregado de um saudosismo claudicante.

Na memória,
a inocência de quem não sabe
nada mais sobre si.

Apenas fagulhas de lembranças
de um passado remoto,
e um presente de grego. 


Pier Toffoletti

Impunidade

O homem segue na rota
da maldade,
seu espelho são facas no ar,
não consegue domar seus instintos,
seus dentes estão manchados de sangue
e suas mãos de impunidade.

O homem segue na rota
da maldade,
cavalga sobre corpos,
finge o arrependimento dos delatores,
mas suas lágrimas são gotas de veneno
amparadas pelo leste oeste da boca.

O homem segue na rota
da maldade,
com seu paletó de sangue,
cobre o sol
a justiça
e despe a noite,
matando a lua.

Não sabe ele
que a maldade
o aguarda (ávida) em sua cova.

**


De Repente

De repente as cicatrizes supuram
e o passado borbulha sob a pele.
De repente costuras antigas
se desfazem
e a nudez da alma é exposta.
De repente me dou conta:
o passado não aceita borracha,
apenas corretivos que disfarçam
as marcas deixadas no papel.


Pier Toffoletti

Solidão

Olho para o infinito
a linha do céu nos separa:
solidão e saudade
são teus nomes.
Caminho em direção ao oeste
busco formas de fortalecer
meus pés trôpegos.
Recrio tua imagem na rosa dos ventos.
O som da tua voz é canto à capela
no teatro do sol poente.
Teu cheiro é tão real
quanto o perfume da lua.

Pier Toffoletti

O Sol da Esperança

O sol da esperança
nunca se apaga,
prediz o fim das trevas.
O sol da esperança
é a luz que invade
as cavernas obscuras da alma,
e liberta os escravos do medo.
O sol da esperança
é o sol da meia noite que nunca se põe.
O sol da esperança
cura as fibroses antigas
que atrofiam mentes brilhantes.
O sol da esperança
aquece os corações rochosos,
tornando-os argila na mão do artesão.

**


Alexandra Patrocínio é professora de Língua, Literatura e Redação da Rede Pública Estadual de Ensino da Bahia. Graduada em Letras e Especialista em Educação pela Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS). Mestra em Estudos de Linguagem pela Universidade do Estado da Bahia (UNEB). Psicóloga em Formação, e membro efetivo da Academia de Cultura da Bahia. Faz parte do Movimento Mulherio das Letras; Confraria Poética Feminina e do Coletivo de Autoras de Literatura Infantil e Infanto-Juvenil da Bahia-CALIIB. É autora dos livros Girassóis em noites escuras/2018; Depois da Escuridão/2019; As Reinações de Clarinha no Reino da Poesia/2019. Através do Rio/2020; E Clarinha e a Sementinha Mágica/2020.

E-mail de contato: alexandrapnpatrocinio@gmail.com
Insta: /reinodapoesia |
Youtube: /reinodapoesia
Twitter: @AlexandraPatro8



Comentários

PUBLICAÇÕES MAIS VISITADAS DA SEMANA

Um conto de Maria Amélia Elói | "Fécula"

Cinco poemas de Claudia Miranda Franco | "Moenda"

Sete poemas de Rozana Gastaldi Cominal | "Aos protagonistas da cultura viva"

Coluna 01 - In-Confidências - Apresentação, por Adriana Mayrinck

Coluna 02 | Fala aí... Isabel Bastos Nunes (Portugal)

Coluna 01 | Mulherio das Letras na Lua - Apresentação

Coluna 04 | Fala aí... Terezinha Malaquias (Alemanha)

Coluna 01 | Fala aí... - Apresentação, por Adriana Mayrinck

PONTE-AR: literatura preta em dia(logo) | Na moda - Catita

A poesia tocante de Wanda Monteiro