PIETÀ - Um conto de Claudia Manzolillo


Michelângelo


*Conto retirado do livro premiado pela UBE, A Dona Das Palavras


PIETÀ
por Cláudia Manzolillo


Não sabia quando começara a verter lágrimas grossas, compridas, pesadas. Sabia que de seus olhos antigos brotava um líquido contínuo e doce,e às vezes, salgado como se fosse água do mar. Chorava ou destilava dor? Se parasse, esse fluxo explodiria ou incharia como um balão de gás e se perderia entre as nuvens num voo sem rumo? Não sabia dizer e por isso continuava sua missão: chorar e secar até que o algodão ensopasse e a vida lhe desse uma trégua. Pensava ser impossível ter tanta água  em seu corpo esmirrado. Seria um desígnio de Deus condensar em seus olhos essa água sem fim? Deveria pagar alguma promessa esquecida? Reparar algum erro ancestral?  Um crime, traição, algo inominável? Por que chorava a mulher? nenhum parto a fizera chorar assim, algum aborto teria rasgado a sua alma a ponto de chorar a vida arrancada? Ou um amor afogado na taça egoísta de um orgasmo solitário? Mentiras são lavadas na água corrente? Um passo mal dado, um decote mais ousado, alguma rasura no caderno, algum deslize na cozinha? Não sabia dizer, o choro não era visto por mais ninguém além dela.Saía pelas ruas, os conhecidos a cumprimentavam normalmente. Aos amigos, ao padre, não tinha coragem de confessar. Era uma coisa tão sua! Travesseiro, colchão, lençol, esses eram testemunhas do choro noturno. Um filho poderia entendê-la, mas eles estavam longe... Um marido, um amante, mas eles seguiram outro caminho quando o viço secou no seu rosto... Seu rosto seco no espelho. Ali ela via as lágrimas escorrerem, ali ela lavava o choro e secava o caminho sulcado na pele flácida. No espelho, procurara respostas e engolia as perguntas confundidas com o choro. Por quê? No espelho, via uma escrava amamentando o filho do senhor,ela também chorava, chorava leite e lágrimas, seu filho lhe fora tirado para servir na casa-grande. Via a judia no campo de concentração que chorava a separação de seus filhos e o extermínio de seus irmãos. Via Maria que chorava seu Filho Crucificado. Mulheres choravam à porta das fábricas. Ofícios perdidos. Mulheres choravam nos escombros de terremotos.Filhos perdidos. Mulheres mortas por serem bonitas demais, inocentes demais, frágeis ou fortes demais. Vidas perdidas. Todas no espelho. Ela ficara para chorar por todas elas. Nesse momento, as mulheres tomavam seu rosto e choravam no espelho. Do lado de cá, pela primeira vez, seus olhos secos se iluminaram. Ela entendera sua missão.

****


Claudia Manzolillo, graduada em Letras Vernáculas e Mestra em Literatura Brasileira, pela UFRJ, publicou A dona das Palavras, livro de contos, Editora Penalux, em 2015, premiado no Concurso Internacional de Literatura da União Brasileira de Escritores – UBE-RJ, em 2016. Participou do Concurso de Haicai de Toledo, em 2017, e do Prêmio Lila Ripoll de Poesia 2017, sendo premiada em ambos. Integra diversas antologias e revistas eletrônicas. Destaca-se como uma das escritoras contemporâneas em A mulher na literatura latino-americana, 2018, EDUFPI.



Comentários

Postar um comentário

PUBLICAÇÕES MAIS VISITADAS DA SEMANA

A terapia da palavra em quatro poemas da jovem escritora Maria Luiza Brasil

PodPapo 07 | Entrevista com a cantora e multiartista Lica Cecato

A beleza no humanismo e na denúncia da poesia de Edir Pina de Barros

PodPapo 09 - entrevista com a escritora, editora e coordenadora do Focus Brasil NY Nereide Santa Rosa

Um conto de Marithê Azevedo | "Céu Escuro"

Para não dizer que não falei dos cravos | Poemas e videopoemas de Rogério Bernardes

Três poemas de Dayane Soares | Uma poética do tempo e da ancestralidade

Um miniconto de Silviane Ramos | "De que cor ficou?"

Quatro poemas de Helenice Faria | Uma poética da resistência

Divina Leitura | As multiplicidades de "Santuário" de Maya Falks