O estreito que se alarga - Marilia Kubota



MOSAICO Coluna 10   Resenha

O estreito que se alarga 
por Marília Kubota


Mulheres. Estas são as protagonistas dos 19 contos de "Passagem estreita" (Carlini Caniato Editorial, 2019), de Divanize Carbonieri. A autora acompanha a trajetória de deficientes mentais, mães solteiras, ex-escravizadas, guerrilheiras, interioranas, escritoras, professoras e sem-vozes que buscam brechas para entrar num sistema desigual. 

As narrativas se assemelham a uma algaravia, escritas num bloco só — um fôlego só ? — explorando a complexidade de recursos literários da modernidade. Alternância de vozes e foco narrativo, representação de vários dialetos (da fala de  analfabetas até a de super-letradas) e  paródia de linguagens  do discurso literário e de roteiros de cinema. 

Para permitir que o leitor entre no universo das personagens, a narração adota o ponto de vista delas, mesmo que entre em conflito, como acontece em "Fia". Quando a protagonista é incapaz de interpretar o mundo, a narração a defende, lembrando a personagem Macabéa, de "A hora de estrela", de Clarice Lispector.  


Outra personagem que emerge do subterrâneo é a do conto "Brilhante". Em poucas linhas, a autora consegue sintetizar as agruras de uma sociedade escravocrata, em que crianças de uma classe social tratam outra, de classe inferior, como  brinquedo. A narração vai revelar que subjetividade da menina pobre não é destituída pela objetificação das meninas ricas. 


Uma página do Livro de Artista de Marília Diaz, na exposição "O céu pelo avesso", de Marilia Diaz e Consuelo Schlichta, (2015). Interpretação de obra de ex-aluna Silvana com recorte, colagem e costura

E é por conta da consciência de um mundo de privilégios e discriminações que a protagonista do conto "Vocabulário" se esforça para achar uma saída: 


Uma BREHCA. É SÓ o que eu preciso. Uma brecha ETSREITA pela qual consiga passar. Uma pequena fissura naquele SITSEMA construído para dar passagem ampla APENAS para poucos. Era por essa abertura ínfima que DESLIZARIA para outra vida, mais plena de PTOENCILAIDDAES. (página 43) 

Muitas vezes o caminho não será solidário e a ascensão construirá um sujeito injusto. A autora não poupa denúncias sobre os abusos e  a violência destinados a destruir o corpo e inteligência femininos. Neste ambiente de desumanização crescente, a vingança pode se incorporar num espírito animal, como se vê no conto "Pantera", em que a brutalidade é confrontada com a natureza selvagem. 

O olhar crítico não romantiza os miseráveis. Quando puderem, empregarão a lei do mais forte, deixando os vulneráveis para trás, ("Estratagema"). As histórias derradeiras, "Adormecida" e "Lenda", trazem mulheres fortes que subvertem estereótipos de outras narrativas, como contos de tradição oral e cinema. 

Esta primeira coletânea de contos de Divanize Carbonieri  permite antever uma escritora destinada a atingir um nível refinado de linguagem, ao demonstrar talento em explorar recursos literários e  criar climas e personagens realistas, com toques de humor negro. 

Divanize Carbonieri é autora de outros dois livros de poesia: "Entraves" (2017), que ganhou o Prêmio Mato Grosso de Literatura e "Grande depósito de bugigangas" (2018), selecionado pelo Edital de Fomento à Cutura de Cuiabá / 2017. "Passagem estreita" foi selecionada pelo Edital Fundo 2019 de Apoio e Estímulo à Cultura em Cuiabá. 


Comentários

  1. Resenha tão ótima que deu vontade de ler Mosaico imediatamente! Eu já queria, por ser da Divanize. O que ela escreve é impossível não gostar.
    Gostei demais, Marilia!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

PUBLICAÇÕES MAIS VISITADAS DA SEMANA

A Poesia renova esperanças: Júlia Alberto, 14 anos, Poeta.

PodPapo 01 | Entrevista com a escritora Rosângela Vieira Rocha

Alma&Luz - A poesia de Ana Cleusa Bardini - seis poemas

Uma crônica em tempos de quarentena - Por Marta Godoi

A poesia terna e lúdica de Alessandra Sanches

Fotografia 5 | Projeto Pixel Ladies + Revista Ser MulherArte - Francine Tobin

PodPapo 02 - entrevista com a escritora Lia Sena

Em uma Metáfora bem-humorada, o passado alerta o futuro: crônica de Marisa Zani

Uma Mulher Admirável - Chris Herrmann

depois O Amor | um Romance apaixonante de Lia Sena