A beleza poética de Ana Maria Másala - Poemas&Frases

Fotografia por Marcelo Sena

Quatro poemas


I

Salvo apenas
o súbito impulso
de afiar o aço
e apunhalar o tempo
covardemente pelas costas
(para não ferir o presente).
Salvo apenas
este desejo súbito
de negociar com a morte
a possibilidade de um voo ímpar
flutuando na beleza de um futuro
                 [que se inventa
este tempo atravessa corrosivo
meus delírios de alguma permanência

Fotografia por Marcelo Sena

II

Agora,

um pássaro
pousa leve:
um afago breve
que arrepia a flor.
Neste instante
o mundo todo é
pássaro…
Eu, a flor

Fotografia por Marcelo Sena

III

Bem sabes,
não há quietude nas pedras.
Não ouves o murmúrio do universo
desenhando seus contornos?
Fluxo que nunca cessa,
também nas pedras a vida dança.

Fotografia por Marcelo Sena

IV

Não sei se me resguardo
Não sei se te enfrento
Não sei que nome dar a este tempo


******


Frases de um tempo recente

Fotografia por Marcelo Sena

Depois de tudo,
depois de olhar nos olhos fundos do mundo,
quis voltar a si... Não coube.

**
Nunca supus que a vida tivesse
tantos efeitos colaterais.

** 

Tem gente que traz um sorriso
tão lindo no olhar!

** 

Que luxo era andar desprevenida,
cara limpa, lambida pelo vento

**

Vivo entre o tempo que não mais alcanço
e um outro tempo que ainda é viagem.

**



Ana Maria Mendes Másala

Graduada em psicologia pelo CES-Juiz de Fora-MG
Pós-graduada pela Universidade Cândido Mendes-Rio de Janeiro-RJ
Natural de Ubá-MG
Reside atualmente em Belo Horizonte-MG
Participou do livro Exercício de Olhar, publicado pela FUNALFA-JF-2012
Publicou em algumas coletâneas.
Atualmente publica em alguns grupos literários.






Depois de tudo,
depois de olhar nos olhos fundos do mundo,
quis voltar a si... Não c





Comentários

PUBLICAÇÕES MAIS VISITADAS DA SEMANA

A terapia da palavra em quatro poemas da jovem escritora Maria Luiza Brasil

A beleza no humanismo e na denúncia da poesia de Edir Pina de Barros

PodPapo 09 - entrevista com a escritora, editora e coordenadora do Focus Brasil NY Nereide Santa Rosa

Um conto de Marithê Azevedo | "Céu Escuro"

Para não dizer que não falei dos cravos | Poemas e videopoemas de Rogério Bernardes

Divina Leitura | As multiplicidades de "Santuário" de Maya Falks

Quatro poemas de Helenice Faria | Uma poética da resistência

Três poemas de Dayane Soares | Uma poética do tempo e da ancestralidade

Um miniconto de Silviane Ramos | "De que cor ficou?"

Três poemas de Oluwa Seyi | A fagulha da vida