Fotografia 2 | Projeto Pixel Ladies + Revista Ser MulherArte - Ritiele Brasil

| fotografia 2 - Ritiele Brasil |




Projeto Pixel Ladies + Revista Ser MulherArte 
por Bianca Velloso, Suzana Pires, Chris Herrmann e Lia Sena

Pixel Ladies é um grupo de fotógrafas brasileiras com experiências de vida diversas e a Revista Ser MulherArte é um coletivo de artistas mulheres de língua portuguesa. Ambos têm o objetivo de divulgar a produção artística das mulheres.

A arte é o que nos salva da dureza dos dias. Por isso a Pixel Ladies e a Revista Ser MulherArte lançaram um desafio poético durante a quarentena. A Pixel Ladies propõe a imagem em postagem no Facebook e as poetas que se sentirem tocadas escrevem um poema. A Revista Ser MulherArte seleciona e publica.

A segunda fotografia foi da Ritiele Brasil
E estes foram os poemas selecionados:


Como seria
Que forma teria
Deus
Se tivesse
Um corpo?

Eliane Silva


...


MELISSA MEL

o normal das aves é voar
dos gatos, dormir
só de vez em quando as aves dormem
já os gatos voam sempre

Virginia Finzetto


...


A poesia é gato acordado 

O poema, felino discreto
Olhar em argolas ariscas
Unhas presas, pousa as patas
Desafio, território, caçador

Chefe silencioso de estrofes
Mia e cata rima
Das outroras, dos anhures
Na nitidez, escuridão e fogo

Letras, guirlanda temida,
amacia às sete vidas
Em versos que lambem os pêlos
No ronronar de onda,
arrebentação e calmaria

Ah! O poema é felino
e a poesia, gato acordado
Sábio, um pouco arrepiado,
confiante e enroscado,
pula até cinco vezes sua altura

Ana Cecília Romeu


...


Gatuno olhar

Quentes são as cores
Do prazer
Felina experimentação
Mestres da observação
Movimentos leves, sutis
Ao gozo da precisão
Permeando sombras e
Esconderijos da Alma
Ágeis e verdadeiros
Alquimistas da sensação
Olhar gatuno da imensidão.

Dani Rost

...


Felina

com olhos faiscantes
e lábios de mel
ela o fascina
você a beija
e a sussura
doçuras

com manto de fogo
e corpo ardente
ela o arranha
vocês se assanham

envoltos por labaredas
vocês se incendeiam
gritam e se gozam
infinitamente
enquanto dure...

...a não descoberta que:
as suas mãos
não passam de patas,
embaixo da sua cama
há outras gatas,
por detrás das suas
falas de amor
só havia garganta

então ela o deixará,
continuará gata
e você, anta

Chris Herrmann

...


Estimação

Quem são vocês que adentram minha casa? Enchem a tigela, trocam a água, limpam a caixa de areia. Não reconheço as vozes, nem dela sinto o cheiro. Há dez dias saiu pela mesma porta desse apartamento, não voltou. Ainda ouço o eco da tosse na escada.

Valéria Bicca Ferrari


...


segredo 

no desalinho dos dias
tecem as manhãs
precipicio e medo.
entardecem os anseios
até o cair sombrio
que anoitece.
o olhar felino
que a tudo vê
remedia o tédio
enternece e cura
sem contar o
que de mal nos ronda
e assombra.

Lia Sena


...


Cio

As fêmeas no cio desobedecem,
berram alto,
rebolam e rebolam,
se esfregam no chão.

As gatonas são encantadoras,
driblam os  altos dos muros e telhados
para dançar  seu ato.

Viviane Justo


...


Além do Olhar

Seu jeito felino
era ainda mais belo
quando seu pelo branco
tingia-se de sol
rubro caramelo

Seu jeito assim
olhando pra mim
naquele ponto
que ultrapassa
espaços aéreos
barreiras quânticas
caminhos etéreos

Mágico assim
configurado a mim
meu gato
navega infinitos
me leva aonde
não se pode ir
enquanto
o sol tinge
seu pelo de um
flamejante
entre o branco
e o amarelo...

Seus olhos fixos
cravados em mim,
transita mensagens...

Quem sabe
um pedido
para além
da Via Láctea

Quem sabe
até onde vai
esse seu jeito felino
de ser gato em mim....


Espreita

À espreita do
Que sente
Desconfiado
Da ilusão
De sua ótica
Não desvia
Os olhos
Do nada...


Sangue frio

Felinos olhos no cio
pulam
 pro meu colo
vazio

Insanidade
revelada
sua psicopata
pata
não rasga meu rosto
por um fio...

... puxado
 novelo alheio
a face oculta
 arrisca
o último carinho
ainda ...

afiada garra
crava
escrava
de rubro
visco quente...

Escorre escada abaixo
vermelho
caminho

desnovelo
sangrando
da última veia
ferida aberta...

Felinos olhos
... nos olhos
Não era cio
Era crueldade
Era sangue  frio...


Ana Cleusa Bardini


...


Eu, gata

Olhos falam, têm poder.
Os meus refletem tua alma,
te aprisiono para o meu deleite.

Como pêndulo, passo a passo,
meu andar te hipnotisa,
te tenho nas  mãos.

Minhas carícias te capturam,
te deixo ir, trago de volta.
Arranho a pele,
arrepio os pêlos.

Na escuridão da noite,
te confundo.
Quando me sentes felina,
me revelo, mulher.

Sida Mara da Silva


🤍

Comentários

  1. Sinto que te olhar vai acalmar meus instintos. A porta fecha e eu fico preso, como as chaves que pendura no gancho e só saem quando você pega. Dificil... Muito dificil para um felino é saber que a liberdade pode estar nas maos de outro ser.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

PUBLICAÇÕES MAIS VISITADAS DA SEMANA

A terapia da palavra em quatro poemas da jovem escritora Maria Luiza Brasil

PodPapo 07 | Entrevista com a cantora e multiartista Lica Cecato

A beleza no humanismo e na denúncia da poesia de Edir Pina de Barros

PodPapo 09 - entrevista com a escritora, editora e coordenadora do Focus Brasil NY Nereide Santa Rosa

Um conto de Marithê Azevedo | "Céu Escuro"

Para não dizer que não falei dos cravos | Poemas e videopoemas de Rogério Bernardes

Três poemas de Dayane Soares | Uma poética do tempo e da ancestralidade

Um miniconto de Silviane Ramos | "De que cor ficou?"

Divina Leitura | As multiplicidades de "Santuário" de Maya Falks

Quatro poemas de Helenice Faria | Uma poética da resistência