A poesia visceral de Maria Marta Nardi - seis poemas


Vermelho
I
Pincelei seus olhos
Pelo meu corpo
Decalque na pele
Pontas da mesma estrela
Na extensão da madrugada

II
Dentro de mim
Vermelho de algas
Alguma sede
Invertebrada
Água - Viva
Água – Linfa
Sais
Seios
Línguas


Até o osso
I
Suturas em linhas
Que se esgarçam
Ou apenas
Sínteses
E antíteses
Da existência

II
Tensão estirada
Sobre cactos
Centenas
De espinhos
Contra o corpo
Abrem a vida
Até o osso

III
Galho ereto
Corte de folha afiada
Perfume
Que escapa
Arpejo
De violetas
Terminais

IV
Bigornam
Os ouvidos
Vão – se
Os pássaros
De chumbo


Na pele da manhã

A noite exala seu hálito de lírios
Deitada sobre o linho
Todos os sentidos me despem
Lateja em flashes
O nervo exposto
Palimpsesto de esperas
Um furor negro me atravessa
Todas as vísceras me movem
A noite é um grito de êxtase
E distâncias
Iridescência de todas as febres
Dissolvidas na pele
Da manhã

Até os olhos

Levou muito tempo até que eu aprendesse apalpar
cicatrizes
sem sentir dor.
Abrir as camadas,
retirar os pólipos,
moscas,
fibroses,
mariposas.
Não quero que fiquem gravadas
as marcas do amor ressentido,
das mãos secas,
das línguas serpentinas
que me lamberam
as feridas.
Agora
tudo é nítido
até os olhos
em carne
viva.
Extirpei-me
daquele delírio
atávico,

séquito de espinhos
em céu de estrelas gastas.



Clandestino

Olhos
de chuva,
febres
intermitentes.
O pai, a mãe,
revelam-se
em imagens
em meio
ao susto
dos dias.
Uma palavra
vermelha,
fria.
Uma gota
verde
na íris,
coleção pesada
de espelhos.
Meu endereço
clandestino.



Alforria

Desfiz – me de tudo
O que não era eu
(contra todos os nervos)
Para além do corpo
Ardendo dentro
O útero
Resiste

Ilustrações - Aquarelas de Luciane Valença



 Maria Marta Nardi (Marília/SP, 1959). Cursou Letras na Pontifícia Universidade Católica de Campinas PUCC e na Universidade de Marília – UNIMAR. Tem poemas publicados em algumas revistas eletrônicas, no Livro da Tribo (edições de 2018 e 2019), e em livros organizados pelo poeta Cláudio Daniel. Publicou em 2019 a plaquete de haikais Sobre o caule de água, da Editora Leonella. Reside atualmente em Campo Grande/MS. Instagram: @maria­_marta_nardi


Comentários

Postar um comentário

PUBLICAÇÕES MAIS VISITADAS DA SEMANA

A terapia da palavra em quatro poemas da jovem escritora Maria Luiza Brasil

PodPapo 07 | Entrevista com a cantora e multiartista Lica Cecato

A beleza no humanismo e na denúncia da poesia de Edir Pina de Barros

PodPapo 09 - entrevista com a escritora, editora e coordenadora do Focus Brasil NY Nereide Santa Rosa

Um conto de Marithê Azevedo | "Céu Escuro"

Para não dizer que não falei dos cravos | Poemas e videopoemas de Rogério Bernardes

Três poemas de Dayane Soares | Uma poética do tempo e da ancestralidade

Um miniconto de Silviane Ramos | "De que cor ficou?"

Quatro poemas de Helenice Faria | Uma poética da resistência

Divina Leitura | As multiplicidades de "Santuário" de Maya Falks