Vox Marielle, saudades, homenagem e um poema inédito para Marielle Franco - Chris Herrmann

Imagem: Wikipedia Commons



Vox Marielle
por Chris Herrmann

Há dois anos, no dia 14 de Março de 2018, o Brasil sofreu um abalo terrível. A Vereadora Marielle Franco e seu motorista Anderson Pedro Gomes foram covardemente executados no Rio de Janeiro. Agora o mundo inteiro sabe e continua perplexo. Muitas perguntas sem respostas. Muitas respostas sem perguntas. Sabemos quem matou. Sabemos quem sabe mais sobre quem mandou matar, mas autoridades abafam o escândalo. Marielle incomodou por ser negra, por assumir um relacionamento homoafetivo, por dar voz aos LGBTs, por ter tido seus pés fincados na luta e preocupação com as favelas e favelados, por ser voz ativa na política para os pobres, esquecidos e renegados. Quiseram calar para sempre sua voz, mas não conseguiram. Sua voz ficou ainda mais forte em nosso peito e no mundo inteiro. 

Ainda me membro do momento que li a notícia, do choque e do quanto chorei de tristeza e incompreensão deste mundo cheio de ódio. Ainda muito abalada, como todos que a admiravam,  escrevi dois dias depois a crônica abaixo:


Foi na Rua Joaquim Palhares

Morei no Estácio durante uma boa parte da minha infância e adolescência nos anos 70 e 80. E antes de virar ateia, frequentava a Paróquia de São Joaquim na Rua Joaquim Palhares. Participava de um grupo jovem onde também cantávamos e tocávamos violão nas missas. Às vezes, eu substituía a organista quando ela estava doente ou não podia ir. Na missa de um mês do falecimento do meu pai (quando eu tinha 19 anos), fiz questão de tocar naquele órgão e escolhi só músicas que ele gostava. Não sabia se tocava ou enxugava as lágrimas. Foi na Rua Joaquim Palhares.

Outras lembranças do pátio da Igreja, das Festas de Natal e Páscoa. Dos encontros do nosso grupo. Das Festas Juninas, onde uma vez fui a noiva e meu primeiro namorado, o noivo. Foi na Rua Joaquim Palhares.


Vários finais de semana do nosso grupo jovem, partíamos do pátio da igreja com uma Kombi. Levávamos às creches roupas, sapatos, livros e brinquedos. Eram das doações que recolhíamos durante a semana de lojas dos bairros do Estácio e Tijuca. Foi na Rua Joaquim Palhares.

Vivi tantas coisas que me marcaram naquela época... a minha primeira decepção amorosa foi ali, vendo o meu ex-namorado (que eu ainda não tinha esquecido) com a minha melhor amiga. Chorei rios. Depois cachoeiras. Depois secaram. Foi na Rua Joaquim Palhares.

O padre mais gente boa que conheci em toda a minha vida (ele me lembra hoje o Papa Francisco), era da igreja São Joaquim. Padre Raimundo, que depois soube que morreu. Ele não tinha preconceitos, não tinha vaidades. Estava sempre pronto a ajudar e se mobilizar pelos necessitados. Tinha um coração que cabia o mundo. Foi na Rua Joaquim Palhares.

Há tempos não pensava na Rua Joaquim Palhares. Mas desde ontem de manhã, estou ali próxima à Marielle Franco e ao motorista Anderson que foram covardemente executados. Mulher, Negra, Vereadora, Ativista Social, Marielle incomodou muito e a muita gente. Nunca se calou. Sempre lutou. E continuará sua luta através de outros braços, outros olhos, outras vozes. Eles pensam que a calaram. Mas não. E mesmo com dor e indignação, agora somos milhares  e milhões de Marielles com a sua voz. Da Rua Joaquim Palhares para o Brasil e além dele, para quem quiser ouvir.

꧁☬꧂


Como todos os amigos poetas, também escrevi diversos poemas para Marielle, alguns que participaram de antologias. Porém, hoje publico aqui um inédito:

Mulher Marielle

Mulher que amou sem pestanejar
Sob os olhares covardes da tirania
Dos crimes e manias da ditadura
Dos despeitados de sua força
Da sua garra, do seu poder
De acordar os injustiçados
De dar voz aos que a perderam
Por ser pobres, por ser pretos,
Por tantos preconceitos
Ser esquecidos
Esmagados

Mulher soberana que brilhou
Subiu e desceu morros
Entre tantos moros e matas
Virou estrela mas não morreu
Ilumina essa ilha de nós
Com sua cor linda
Sua voz em eco no peito
Que entende, peita, grita
E defende pautas de amor

Mulher Marielle, o amar a recebe
Dentro de toda essa gente
Que a respeita, apreende
Sente e ouve a sua voz
Este eco que a faz viver
Em nós para sempre

Mulher Marielle
Você sempre foi e será
Você sempre estará 
E é nosso melhor
PRESENTE

꧁☬꧂

E para completar esta homenagem póstuma cheia de saudades, mais um carinho para esta grande mulher, cuja voz jamais se calará em nós.



Comentários

PUBLICAÇÕES MAIS VISITADAS DA SEMANA

Um conto de Maria Amélia Elói | "Fécula"

Cinco poemas de Claudia Miranda Franco | "Moenda"

Sete poemas de Rozana Gastaldi Cominal | "Aos protagonistas da cultura viva"

Coluna 01 - In-Confidências - Apresentação, por Adriana Mayrinck

Coluna 02 | Fala aí... Isabel Bastos Nunes (Portugal)

Coluna 01 | Fala aí... - Apresentação, por Adriana Mayrinck

PONTE-AR: literatura preta em dia(logo) | Na moda - Catita

A poesia tocante de Wanda Monteiro

Preta em Traje Branco | Reminiscências - uma resenha poética de Mada Scavassa

Coluna 04 | Fala aí... Terezinha Malaquias (Alemanha)