Poemas de Vanessa Ratton



Fluidez
Preciso deixar dito
que meu viver
é só conflito
não sei ser sólida
é na fluidez
em que acredito.

Olhei num instante
pela janela
vi tanta chuva
que quase fiquei úmida
pra escorrer pela porta,
me integrar com a água
na calçada,
seguir o canal,
pra voltar ao mar de Santos,
onde nasci.




Porto de Santos, história viva !

Sou um canal.

Uma margem de chegada e partida.
Porta de entrada ou saída.
Esperança de uma nova vida.
Sirvo de rota, destino, passagem.
Abrigo, esteio.
Negócio ou viagem.
Canto amores,
sirenes e dores.
Sou o sonho dos imigrantes
e o pão dos estivadores.
Embarco tristezas e vitórias.
Trago cargas, homens e histórias.
Cheiro enxofre e maresia,
mas, de noite, exalo alegria.
Das moças e dos marinheiros,
sou o ponto de encontro das ilusões perdidas.
Meu cais conta séculos de aventuras.
Vi reis, piratas e presidentes.
Generais, presos e torturas.
Fui palco, sou celeiro
de artistas do mundo inteiro.
Sou história viva,
nova e antiga.
Brasileiro, santista.
O maior porto da América Latina.
Sou global e local.
Cenário e realidade.
Comércio e lazer.
Sou gente e cidade.




Vanessa Ratton é santista,
jornalista, psicopedagoga, poeta,
escritora infantil e professora.
Atua com Educação Política.

Comentários

Postar um comentário

PUBLICAÇÕES MAIS VISITADAS DA SEMANA

A terapia da palavra em quatro poemas da jovem escritora Maria Luiza Brasil

Cinco poemas de Eva Potiguar | Uma poética de raízes imersas

PodPapo 09 - entrevista com a escritora, editora e coordenadora do Focus Brasil NY Nereide Santa Rosa

A beleza no humanismo e na denúncia da poesia de Edir Pina de Barros

Um conto de Marithê Azevedo | "Céu Escuro"

Improvisos & Arquivos | árvore/poemas - publicação coletiva

Divina Leitura | As multiplicidades de "Santuário" de Maya Falks

Quatro poemas de Helenice Faria | Uma poética da resistência

Três poemas de Dayane Soares | Uma poética do tempo e da ancestralidade

Um miniconto de Silviane Ramos | "De que cor ficou?"