De vez em quando um conto - Lia Sena



Astuta
por Lia Sena

Os óculos eram inseparáveis durante o dia; pareciam uma espécie de máscara que a distanciava da mulher que só ela conhecia e blindavam-na diante do mundo. Invariavelmente ia ao banco e pegava fila, torcendo pra ser atendida por ele. Aqueles olhos negros e sérios atrás do balcão a impressionavam de tal forma, que suas pernas tremiam na espera, muitas vezes frustrada, pois outro caixa a atendia. Lançava um último olhar perdido, por trás dos óculos, ao rapaz compenetrado e sério; partia. Num dia melhor, atendida por ele, deixou escapar, junto às contas a serem pagas, um papelzinho com número de celular/whatsapp, na esperança de que ele a adicionasse e entendesse o tímido recado. A roupa não ajudava muito; estava sempre de camisa, fechada por botões, calça social e aqueles óculos sérios. Saltos, nunca durante o dia... Sua esperança foi pro lixo, junto com o papelzinho atirado por ele à lixeira. Enfim, era sexta feira, era lua cheia e o momento de tirar a outra do armário.
O vestido preto e justo, tinha um zíper atrás que o fechava (ou abria), deixando uma fenda provocante. Os cabelos que ficavam presos num coque displicente durante a semana, estavam soltos, eram louros e lindos; desciam em ondas, até o meio das costas e o salto, alto, muito alto. A maquiagem leve realçava ainda mais os lindos olhos, agora livres da armadura dos óculos e ela sorria expansiva, enquanto segurava um copo de vinho. displicentemente...

Aquarela de Luciane Valença

Chamava a atenção de todos na boate e quando dançava, ainda mais; aquela sensualidade tímida era arrasadora!
Não era exibida, mas altiva e linda, linda..
O rapaz do banco não tirava os olhos daquela mulher que nunca vira antes por ali; esperava uma oportunidade pra chegar perto, falar com ela, enfim. Ensaiou um leve esbarrão involuntário, ao passar onde ela estava de pé com algumas amigas; pediu desculpas e engatou um papo. Até que: - Você usa whatsapp? Não queria te perder de vista.. Ou, me passa o número do celular?
Olhando naqueles olhos negros que ela tanto ansiava ver, por semanas, respondeu calmamente: Está na sua lixeira do banco. Acho que o lixo é recolhido todas as noites, não?

Passou a usar muito mais o caixa eletrônico.

Comentários

Postar um comentário

PUBLICAÇÕES MAIS VISITADAS DA SEMANA

Divina Leitura | O mito da beleza por Naomi Wolf e suas consequências para a vida das mulheres contemporâneas

Era uma vez 11 I Literatura infantil inclusiva da brasiliense Alessandra Alexandria

Cinco poemas de Angela Dondoni | "Transmutar"

Tertúlia Virtual | uma ideia genial de Marta Cortezão

Cinco poemas de Eva Potiguar | Uma poética de raízes imersas

Resenha do livro infantojuvenil A ÚLTIMA FOLHA, de Adriana Barretta Almeida

Tertúlias Virtuais | Poesia: a Arte do Encontro

Um conto de Carmen Moreno | "Dora"

Três poemas de Maria Cleunice Fantinati da Silva | "Intensa(mente) temperamental"

De Prosa & Arte | Cumpleaños