Ouvindo Mulheres 03 - "Vapor do chá", conto de Cleonice Alves Lopes-Flois


Ouvindo Mulheres - 03
por Cris Lira


Olá, leitoras e leitores!

Hoje, na coluna Ouvindo Mulheres, trago a leitura do conto de Cleonice Alves Lopes-Flois, "Vapor do chá," que integra a Coletânea I do Mulherio das Letras (Mariposa Cartonera, 2017) organizada pela Henriette Effenberger. Trata-se de um flagrante, uma rica descrição de uma cena: há a tentativa de se capturar o instante passado no enlevo do presente, mas a certeza inexorável da impossibilidade, "não sou mais a mesma, e não há como sentir tudo igual porque o igual é faz de conta" (51), além da simbiose entre ambiente e personagem, visto que ambos lutam contra a umidade que insiste, a um só tempo, em lhes penetrar e expelir-se. Por fim, há qualquer movimento de luta em um universo de concordâncias, uma espécie de esboço da vida doméstica que tantas vezes se atira da boca - suicida - em um ambiente que insiste em pia limpa, filhos prontos para a escola e o corpo pronto para o amor.

Venha comigo conhecer a escrita de Cleonice Alves Lopes-Flois!


Obrigada por me escutarem. Obrigada por nos escutarem.
Leiamos mulheres. Escutemos mulheres.
Até a próxima coluna!


Vapor do chá
de Cleonice Alves Lopes-Flois

Tarde chuvosa. Eu e uma xícara de chá conversamos longamente na mesa da cozinha. Olhamos a paisagem molhada, pensamos securas da vida e nos conformamos com a umidade do dia. Enquanto repriso trechos da peça trágico-cômica da minha vida privada, o embaçado se faz presente nas janelas do cômodo e nas lentes dos meus óculos e o vapor que sai da xícara e da minha boca, se espalha pelo ar, umedece meus olhos e minhas narinas. O líquido que tenta escorrer de ambos não é mera coincidência. 
Revisitar antigos enredos desde o manuscrito e as lembranças iniciais de sua feitura traz, por vezes, sensações análogas às vivenciadas no tempo primeiro e, o que foi sentido volta a ser sentido, mas nunca do mesmo modo, nunca com a amplitude daquele instante. Primeiramente, porque não sou mais a mesma, e não há como sentir tudo igual porque o igual é faz de conta. Nada é igual, tudo se altera, o tempo, o espaço, a ação, a personagem e, assim, o sentimento rememorado é trazido à tona pelo vapor do chá, não podendo ser o mesmo vivenciado em tempo passado. 
O que foi sentido ganhou um invólucro, deixou de estar na carne viva do momento de sentir, do instante em que a pulsão dor/amor/decepção/êxtase surpreendeu os sentidos. Não é uma máscara, mas uma casca para a ferida que ainda dói, que ainda requer cuidados, que ainda pode se abrir ou ser novamente ferida pelas ações que vierem a ser tomadas. Não se faz um mascaramento do fato, mas tenta-se viver socialmente em equilíbrio, sem rompantes de vitimismo ou encolhimentos autopiedosos dentro da própria casca. Tenta-se manter a sanidade intelectual, a criatividade artística, a saúde física, a libido em alta, os sonhos vivos, mas a sensibilidade de poetisa umedecem meus olhos vez ou outra.



Comentários

PUBLICAÇÕES MAIS VISITADAS DA SEMANA

Machismo estrutural | Quando a imprensa também exclui as mulheres

Uma resenha de Marta Cocco | "Uma Diva na passarela estreita do Jabuti"

Um poema de Mar Becker | "à parte do reino"

Uma série pictórica de Neide Silva | Flores do Cerrado

Cinco poemas de Tatiane Silva Santos | "No sonho"

A poética que roça os sentidos | Banquete poético

Yedda Maria Teixeira | o prêmio da arte de amar

Era uma vez 11 I Literatura infantil inclusiva da brasiliense Alessandra Alexandria

De Prosa & Arte| Nosso Corpo não é Bagunça!

IX Tertúlia Virtual | Vozes e Olhares de uma Poética do Feminino