Uma excelente crônica de Wanda LL Cozzi

 
ilustração: escultura de Leninha Latalisa
O homem
por Wanda LL Cozzi 


Só muitos e muitos anos depois, décadas talvez, pude compreender a risaiada de todos, seguida de um certo desconforto e o olhar de repreensão do nosso irmão mais velho, Dinho, naquela tarde quente em que tomávamos sorvetes e chupávamos picolés em sua sorveteria em Abaeté.
O meu picolé e o da Fizinha com certeza eram de queimadinho com coco acima da metade que o Dinho, carinhosamente, fazia e deixava separado pra gente.
Coitado do Dinho, a sorveteria dele não poderia mesmo ter durado muito tempo. Imaginem que éramos doze irmãos a tomar sorvetes e a chupar picolés de graça. E o pior: a levar uma quantidade enorme de amigos para fazer o mesmo. 
Acho que eu devia ter em torno de dez, onze anos nessa época e naquela tarde minha irmã Lourdinha chegou na sorveteria com duas revistas de fotonovela - Capricho e Ilusão - e começou a ler o horóscopo de um por um. A gente vivia às voltas com fotonovelas e horóscopos.
Finalmente chegou o meu: Câncer.
“O seu dia hoje será muito feliz. Aquele homem bem mais velho do que você vai se declarar.”
- Eu sei quem é ele! Gritei radiante.
- Deixa de ser boboiona, menina. Gritou Lourdinha.
-Cala essa boca, menina. E passa já pra dentro. Gritou mais alto ainda o Dinho.
O tal homem, não me lembro o nome mas lembro-lhe bem o porte alto e elegante e o bigode. Acho que era um amigo de nosso tio Diro. Enchia-me de elogios sempre que me via. Dava-me, às escondidas, bombons e balas Chita. 
Certo dia sentou-se a meu lado no banco da praça da prefeitura, pegou o seu pente, que todo homem já feito andava com seu pente no bolso e, ofegante, com seu corpo colado ao meu, pôs-se a pentear meus longos cabelos.
Na outra mão, o lenço branco a enxugar-lhe o suor.

 
Wanda Lúcia Latalisa Cozzi é cronista, contista e poeta nascida em Abaeté, MG. Graduada em Letras - português e francês - pela UFMG.

Comentários

PUBLICAÇÕES MAIS VISITADAS DA SEMANA

A terapia da palavra em quatro poemas da jovem escritora Maria Luiza Brasil

A beleza no humanismo e na denúncia da poesia de Edir Pina de Barros

PodPapo 09 - entrevista com a escritora, editora e coordenadora do Focus Brasil NY Nereide Santa Rosa

Um conto de Marithê Azevedo | "Céu Escuro"

Para não dizer que não falei dos cravos | Poemas e videopoemas de Rogério Bernardes

Divina Leitura | As multiplicidades de "Santuário" de Maya Falks

Quatro poemas de Helenice Faria | Uma poética da resistência

Três poemas de Dayane Soares | Uma poética do tempo e da ancestralidade

Um miniconto de Silviane Ramos | "De que cor ficou?"

Três poemas de Oluwa Seyi | A fagulha da vida