A lucidez do amor - crônica de Chris Herrmann



Crônicas que as lembranças me embrulham de presente - 05

A lucidez do amor
por Chris Herrmann

Meu pai era machista, fruto da educação que recebeu e das suas próprias limitações. Cometeu muitos erros, embora tenha tido seus momentos de acertos. Eu tinha uns 17 anos, quando naquele dia ele retornara do hospital após um derrame (hoje chamado de AVC). Ainda com dificuldades na fala e com um olhar humilde como eu nunca tinha visto antes, ele me disse:

- Minha filha, você é uma moça inteligente. Não sei se vou viver por muito tempo (e não viveu mesmo). Continue a se dedicar aos estudos e trabalhe e lute. Sei que você irá longe. Nunca se submeta a um homem. Nunca seja dependente de alguém. Se um dia você se unir a um homem, que seja de igual para igual. Só assim você poderá ser feliz. Sei que não tenho muito tempo para consertar meus erros. Mas você tem todo o tempo do mundo para seguir um caminho mais justo que o da sua mãe.

(Eu o abracei e nossas lágrimas selaram aquele momento que não precisava mais de palavras.)

Abaixo, uma das poucas fotos que tenho junto ao meu pai. Creio que foi clicada em 1969 ou 1970 em uma festa junina na rua onde morávamos, no Rio de Janeiro. 

Comentários

  1. Que linda! Emocionante a crônica e que bela foto.

    ResponderExcluir
  2. Uma preciosa delicadeza, dele, que vc seguiu à risca! Um momento de amor cobre multidão de erros passados! Linda crônica.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O momento de lucidez e amor que mudou muita coisa em mim. Obrigada, Ivy. 🌷

      Excluir

Postar um comentário

PUBLICAÇÕES MAIS VISITADAS DA SEMANA

A terapia da palavra em quatro poemas da jovem escritora Maria Luiza Brasil

PodPapo 07 | Entrevista com a cantora e multiartista Lica Cecato

A beleza no humanismo e na denúncia da poesia de Edir Pina de Barros

Para não dizer que não falei dos cravos | Poemas e videopoemas de Rogério Bernardes

A Poesia grandiosa de Rita Santana - seis poemas

Um conto de Érika Gentile | "Dor"

Três poemas de Dayane Soares | Uma poética do tempo e da ancestralidade

Um miniconto de Silviane Ramos | "De que cor ficou?"

Divina Leitura | As multiplicidades de "Santuário" de Maya Falks

Cinco poemas de Paula Valéria Andrade | A Pandemia da Invisibilidade do Ser