A poesia incrível de Fabíola Mazzini - cinco poemas



Carmen Luna

àquelas horas, na rua,
nada de anjo da guarda
só a fumaça, neblina ensaiada.
ela era assim: cabelo chanel, tragadas profundas
comentários esparsos.
sobre o garçom jogando água na calçada:
garçom conservador deveria ser proibido.
o passado bate muito à porta ultimamente.
sobre o amor:
estátuas de farda na praça pública
andam matando todo amor.
sobre a cachaça:
trôpego, mas de pé,
é o futuro da humanidade.
há poesia na praça, sussurra:
sem as estátuas, não conheço o macio.
sem as mortes, não alcanço as estrelas.
ela vai embora devagar.
os olhares aniquilam sutilmente
a dobra da esquina, como tiros na nuca.



Hoje me livro da pele
Essa armadura atávica
Hoje me livro da fala
Essa moeda de troca
Hoje me livro do medo
Essa guilhotina das ideias
Pensava ela
Enquanto rodava em círculos
No próprio quarto
Depois de socar almofadas
E ler aquele best-seller que ensina tudo sobre amor próprio


anda agora mesmo pela rua
definha e finta o fim
tuntum tantã tuntum
o coração vai vai vem vem
como a maré na Beira-Mar
como Sísifo e pedra
como a guerra na cidade
embaixo de sua pele há outra e outra
que, agora cortada, sabe de cor:
esta terra tantas vezes definhou
e enfim inteira tombou, como em Celestino
celeste encontro, vitória dos sem coração
no céu azul, não asas
a gravidade mostra suas quinas
a poesia é um solo a sete palmos do amor


Não é o relógio que te acorda
Não se dorme mais 8 horas por noite
Os sonhos são esquecidos a cada manhã
Todo mundo rouba o tempo do outro
Ela vigia o olhar do amado a cada crepúsculo
A vigília é um caracol em seu labirinto
O tempo gruda no corpo que queria mais da vida
É nossa anatomia, pedra e abismo
Somos o homem que morre
Pensando que fugiu da cela
Que já lhe habita o osso



sonhei que via você num outdoor, nas redes sociais
e em toda parte
tal um ídolo imbatível
um deus do tempo dos deuses perenes
um pai que me livrava do abandono
você perfeito, de mármore
só eu sabia do cerne humano
dos dentes gastos de tanto arrancar a jugular
da vida e sorrir dentifrício


 * Todas as obras que ilustram a matéria, são da artista espanhola Carmen Luna.



Fabíola Mazzini mora em Vitória-ES. É servidora pública. Tem poemas publicados em revistas digitais, blogs e coletâneas.
Os poemas publicados aqui são do livro “Rotina dos ossos”, premiado com 1º lugar no concurso Secult-ES de 2018.



Comentários

PUBLICAÇÕES MAIS VISITADAS DA SEMANA

Mulher Feminista - 16 Poemas Improvisados - Autoras Diversas

Especial Literatura | Vinte autoras de/em Cuiabá

Cinco poemas de Marta Valéria Aires F. Rosa | "Respiro lentamente o prazer da criação"

Três poemas e um conto de TAİ | "DIAMANTEMENTE NO CÉU"

Uma crônica de Dalva Maria Soares | "A janta tá pronta?"

Um conto de Evelise Pimenta | "Foi num sábado qualquer..."

Preta em Traje Branco | A autoestima concebida de Arleide Nascimento

Preta em Traje Branco | Trinca de Versos de Valéria Mendonça

Resenha do livro infantojuvenil de poemas, POEMEAR DE PERNAS PRO AR, de Adriana Barretta Almeida

MulherArte Resenhas 09 | Aos 86, Eni Fantini lança seu primeiro livro e nos ensina a libertar por meio da arte