de vez em quando um conto - Lia Sena





De meninos e meninas
por Lia Sena


Eliana adorava andar de skate; muito bem escondida, aprendeu com os colegas do colégio. Seus pais ultra conservadores, jamais aprovariam. Com isso ela ganhou uma legião de amigos; muito mais meninos que meninas, o que acabou deixando a mãe, dona Balbina, de cabelo em pé. Conversava sobre as suas preocupações com as amigas.


 - Como é difícil criar menina, Yolanda; menino a gente solta, fica despreocupada, mas "filha mulher", é um inferno e a minha agora, inventou de andar com um monte de menino. Já proibi, fico de olho, o pai resmunga o tempo todo, mas volta e meia aparece um por lá, rodeando, querendo sair com ela... Já viu? Já gastei todos os castigos; nem sei mais o que fazer!

Eliana aproveitava todos os momentos que conseguia escapar, pra andar de skate, estar com os amigos. Todos a chamavam de Ely; amigos, colegas e até o pessoal de casa Ela adorava e até achava estranho, quando alguém a chamava de Eliana. Com muito jogo de cintura, driblando os pais e o irmão Fábio, que também era um chato e machista, Ely participou de alguns campeonatos, levou alguns prêmios e em todos os treinos, todos os eventos, todas as comemorações,lá estava a inseparável Amanda. Essa parceria foi crescendo e Amanda passou a frequentar a casa; andavam cada vez mais juntas e dona Balbina voltou a sorrir, afinal aquele bando de meninos, raramente aparecia e sua filha tinha agora uma amigA.

Imagem Pinterest

Estudavam juntas, iam a festinhas, viam filmes, inventavam coisas na cozinha... O skate continuava sendo uma paixão; os treinos na pista, os campeonatos, os amigos; mas agora Ely tinha uma amigA, inseparável e isso fechava os olhos de pai e mãe, confortava~lhes o coração e a tranquilidade reinava.Além do mais, Ely sempre fora boa aluna e ajudava Amanda em todas as matérias. Invariavelmente passavam as tardes no quarto de Ely e quando alguém perguntava por ela, dona Balbina respondia satisfeita.


 - Está no quarto, estudando com Amanda.

Recebeu, certa tarde, as amigas para um café farto de bolos, sequilhos e outros petiscos. Agora, era uma alegria receber, podia se gabar, a respeito da filha. - Ely está uma maravilha! Aquele monte de moleques pararam de rodear minha porta e ela nem fala em namorar; é do colégio pra casa, estudando com a amiga!

No quarto, mais uma tarde amena de amor e livros esquecidos.


Comentários

PUBLICAÇÕES MAIS VISITADAS DA SEMANA

A terapia da palavra em quatro poemas da jovem escritora Maria Luiza Brasil

A beleza no humanismo e na denúncia da poesia de Edir Pina de Barros

PodPapo 09 - entrevista com a escritora, editora e coordenadora do Focus Brasil NY Nereide Santa Rosa

Um conto de Marithê Azevedo | "Céu Escuro"

Para não dizer que não falei dos cravos | Poemas e videopoemas de Rogério Bernardes

Divina Leitura | As multiplicidades de "Santuário" de Maya Falks

Quatro poemas de Helenice Faria | Uma poética da resistência

Três poemas de Dayane Soares | Uma poética do tempo e da ancestralidade

Um miniconto de Silviane Ramos | "De que cor ficou?"

Três poemas de Oluwa Seyi | A fagulha da vida