A poesia tocante de Wanda Monteiro


"River"  por Justina Kopania


sob a liturgia do tempo
um chão itinerante
move-se na respiração da memória


Justina Kopania

I
em leito outrora fecundo
línguas ondas quebravam sonantes
ao toque da lira
no-ágora-do-outrora
só há espectros
mudo-surdos
habitantes de um deserto
seco e demente
de palavras


II
no gargalo da garganta
ergue-se um mausoléu de asas
em santo sepulcro de palavras aladas


III
que presságios traz
a mudez
do flagelo verbo
fugitivo de um poema em chamas
?



Justina Kopania


sobre a carne viva da página

o talo do verbo
ergue totem de sentidos
jorra-lhe sem pudor
seiva e sumo
à espera de abrir-lhe
a
rosa
do
poema

Justina Kopania
tu que habitas essa ilha de memória
margeando passado
nessa terra de parto
vida
e
morte
olha
procura por debaixo das coisas miúdas
os sentidos partidos ao meio pelo tempo
recusa a morte
corrente-leito-de-espera
do rio que já não é
aceita as manhãs
do rio que será
o agora não é chegada
é partida


Justina Kopania


à dobra da noite

doura o pétreo enigma
de fora para dentro
grito
de dentro para fora
silêncio
centro
incandesce n’alma
aos sentidos
nos
arde
m
e
n
t
e
***

o humano é esse abismo mais profundo

depois de inventar os deuses
os pecados
e o perdão
em sua cotidiana autofagia
devora a cada instante
toda vida que lhe circunda
e habita

Justina Kopania


Aspiro, em demasia, pela clarividência do verbo – a espera do
alento que a tudo engloba e ilude – que a tudo cuida e dá o
seu destino. O verbo esse alento que, em descomedimento,
faz sua vigília sobre cada esfera a flutuar no ventre do espaço
e à luz do tempo. O verbo esse deus feito de luz e silêncio.




Wanda Monteiro, advogada, escritora, uma amazônida nascida à margem esquerda do rio Amazonas, em Alenquer, Pará, Brasil. Colabora com vários projetos de incentivo à leitura de seu país, seus textos poéticos são publicados em importantes revistas literárias - impressas e digitais - veiculadas em várias regiões do pais, como Mallarmargens, Revista Gueto, Acrobata, Diversos & Afins, Relevo, Lavoura, Zona da Palavra, Vício Velho, Ruídos, Literatura BR, Literatura & Fechadura, DesEnredos, InComunidades (Lisboa). E agora na nova Revista MulherArte. Tem seus poemas publicados nas antologias: Senhoras Obscenas; Proyecto Sur Brasil, Sarau da Paulista; Mulherio de Letras / Lisboa e na primeira e histórica publicação impressa da Revista Literária Gueto. Obras publicadas: O BEIJO DA CHUVA, 2008, Ed Amazônia; ANVERSO, 2011, Ed Amazônia; DUAS MULHERES ENTARDECENDO, 2015, Ed TEMPO - em parceria com a escritora Maria Helena Latinni; AQUATEMPO, 2016, Ed Literacidade; A LITURGIA DO TEMPO E OUTROS SILÊNCIOS, 2019, Ed Patuá.





Comentários

  1. Wanda Monteiro
    Poemas que se reconhecem na intimidade, no existencialismo, na percepção d'alma enquanto missão planetária da trajetória humana, frente a evolução e revolução, ação e reação que causa a arte!
    Um Norte! Literalmente...A fluidez dessa região-realidade a identidade de quem percebe os caminhos que os rios universais nos levam...
    Desperta humanidade!
    Bravo! Bravíssimo!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

PUBLICAÇÕES MAIS VISITADAS DA SEMANA

Cinco poemas de Gilda Portella Rocha | "Eu e os outros Eus"

Cinco poemas de Jacinaila Louriana Ferreira | "a voz que insiste em gritar"

Elas me fazem de gata e alpercata | Desfile de meowdas 1 - Publicação coletiva

Coluna 04 | Fala aí... Terezinha Malaquias (Alemanha)

Coluna 02 | Mulherio das Letras na Lua - ANA ACTO (Portugal)

MulherArte Resenhas 03 | Escrever o luto: "O indizível sentido do amor" (2017) e "O coração pensa constantemente" (2020), de Rosângela Vieira Rocha

Coluna 01 | Mulherio das Letras na Lua - Apresentação

UniVerso de Mulheres 12 - A voz da selva na poesia de Sandrinha Barbosa, por Valeska Brinkmann

Coluna 03 - In-Confidências - por Adriana Mayrinck

Coluna 04 | Mulherio das Letras na Lua - JAMMY SAID (Brasil)