A Força e o talento de Ize Duque Magno


"Violentamente pacífica. A minha arma é a arte."
Ize Duque Magno


Ize é dessas mulheres que fazem a diferença, no mundo onde reina o caos. Aparentemente, pequena e frágil, de voz suave, vira uma imensidão no palco e na vida quando toma pra si as dores do mundo e, insurgente, usa a arte como arma, instrumento de revolução. Suas composições estão sempre atreladas às questões da violência contra mulheres, o feminicídio, as injustiças sociais, a desigualdade, os preconceitos e a violência disseminada pelos que exercem o poder. A voz de Ize, mais que sonoridade e beleza, é grito!

Lia Sena



"(...) toda mulher é dona do seu próprio corpo, mas essa parte não te contam no jornal (...)
Trecho da canção Marias Mortas (Ize Duque Magno)


"Me bateu uma saudade de você..."
Trecho da canção, Trago (Ize Duque Magno)


"(...) uma revolução, regida de amor e de ideal(...)
Caminhos da Revolução (Ize Duque e Jonnie Walker)



Cenas do Sarau "Mulher na Cena" promovido por Ize, na UFSB









Imagem por Lui Magno

Ize Duque
é cantora, compositora, produtora cultural e servidora técnica da Universidade Federal do Sul da Bahia. Filha de terras sul baianas, nasceu em Itabuna na tarde de 16 de março de 89. Foi criada em Ubaitaba, cidade das canoas, onde aos seis anos iniciou sua vivência na música influenciada pela rotina religiosa e musical de sua família. Neta de D. Janice, professora de música tradicionalmente reconhecida na comunidade ubaitabense, abraçou a música como grande legado de família. Não à toa, sua mãe, multi-instrumentista autodidata, foi sua professora e primeira influenciadora, ensinando técnicas de canto e teoria musical.
Aos 15 anos a vocalista decide desligar-se do grupo religioso. Apesar da distância dos microfones, manteve-se intimamente ligada à música, praticando, estudando, escrevendo e aperfeiçoando técnicas que em 2011 vieram à tona quando Ize se aproxima de grupos musicais sul baianos (Mendigos Blues, Manzuá, entre outros) que estavam a todo vapor fomentando a cena da Região. A identificação foi rápida e decisiva para Ize estabelecer-se na cidade de Itabuna e idealizar os projetos que fizeram e fazem parte: os grupos musicais MPBosque, Pastilhas, a produtora de eventos Ta Massa Produções e o espaço cultural Jardim Elétrico.
Entre os anos de 2012 e 2018, Ize produziu com a Ta Massa Produções cerca de 50 eventos na cidade de Itabuna, entre circuitos musicais, shows, saraus, atos culturais e intervenções culturais urbanas. Grande parte desses eventos foram realizados em praças públicas, abertos ao público, endossando o mote de democratizar espaços de expressão da vida pela arte. A produtora também esteve à frente de espaços culturais como O Bosque e o Jardim Elétrico.
Como vocalista e compositora da Pastilhas, entre os anos de 2013 e 2018, lançou o EP digital EPastilhas, protagonizou os clipes de suas composições “Marias Mortas” e “O Trago”, participou de diversos festivais, eventos, documentários, curta-metragens e programas de televisão, como o Festival de Gastronomia e Arte de Serra Grande, o Programa de Arte Itinerante da FICC, como banda convidada e curadoria do Festival Sonora, como banca julgadora do Festival de Música Universitária da UESC, como banda convidada dos programas Bahia Meio Dia e Balanço Geral, como trilha sonora dos Documentários A Casa dos Artistas, O Lado de Cima da Cabeça, Por Elas, Batalha do Rap, e do curta-metragem Bordel, ; também dividiu o palco com grandes nomes da música nacional como Armandinho Dodô e Osmar, OQuadro, ATTOOXXA, Scambo, entre outros.

Para conhecer Pastilhas, acesse www.soundcloud.com/banda-pastilhas
Mais informações sobre eventos www.facebook.com/tamassaproducoes
Mais vídeos https://www.youtube.com/channel/UCBRUtJmxeIf9Q0EBqB5_KaQ/videos

*Texto da biografia por Ize Duque Magno


Comentários

PUBLICAÇÕES MAIS VISITADAS DA SEMANA

Divina Leitura | O mito da beleza por Naomi Wolf e suas consequências para a vida das mulheres contemporâneas

Era uma vez 11 I Literatura infantil inclusiva da brasiliense Alessandra Alexandria

Cinco poemas de Angela Dondoni | "Transmutar"

Tertúlia Virtual | uma ideia genial de Marta Cortezão

Cinco poemas de Eva Potiguar | Uma poética de raízes imersas

Resenha do livro infantojuvenil A ÚLTIMA FOLHA, de Adriana Barretta Almeida

Tertúlias Virtuais | Poesia: a Arte do Encontro

Um conto de Carmen Moreno | "Dora"

Três poemas de Maria Cleunice Fantinati da Silva | "Intensa(mente) temperamental"

De Prosa & Arte | Cumpleaños