Os Montes - Um poema de Ingrid Morandian

Fotografia por Ninil Gonçalves


Os Montes

permitiste que o oráculo fechasse as portas dos olhos,

somente Deus poderia desfazer a xilogravura da parede
a gravura retrata as lavadeiras de Minas, a terra dos Montes


as mãos das lavadeiras transpõem a corredeira vinda do povoado
migram teu corpo translúcido para o cativeiro
descalça, confabulo com o misticismo das águas das lavadeiras


não ouço os gritos nos montes,
com o chamado do boiadeiro foi-se a lucidez do dia,
as lavadeiras vão embora
imagens de uma memória: casas pequenas, o olhar vago
materno rasgando por dentro


nos meus escritos me liberto
o silêncio desintegra os diálogos da minha irmã
o silêncio mimetiza os dedos da mãe morta

foto por Roberto Cândido

Ingrid Morandian nasceu em São Paulo(SP), onde reside. Participou de várias antologias. Publicações: Água Terra Fogo Ar – Crônicas elementais, Ed. Uapê, 2011 – História intima da leitura, Editora Vagamundo, 2012 – Revista Plural 1900 e Revista Plural La barca, 2016, Ed. Scenarium Livros Artesanais, Senhoras Obscenas, 2016, Editora Benfazeja - Tem poemas publicados nas revistas eletrônicas Mallarmargens, Diversos Afins, Liberoamérica. Publicou pela Editora Patuá – Se você me amasse, teria fechado os olhos, 2019.

Comentários

PUBLICAÇÕES MAIS VISITADAS DA SEMANA

A terapia da palavra em quatro poemas da jovem escritora Maria Luiza Brasil

A beleza no humanismo e na denúncia da poesia de Edir Pina de Barros

PodPapo 09 - entrevista com a escritora, editora e coordenadora do Focus Brasil NY Nereide Santa Rosa

Um conto de Marithê Azevedo | "Céu Escuro"

Para não dizer que não falei dos cravos | Poemas e videopoemas de Rogério Bernardes

Divina Leitura | As multiplicidades de "Santuário" de Maya Falks

Quatro poemas de Helenice Faria | Uma poética da resistência

Três poemas de Dayane Soares | Uma poética do tempo e da ancestralidade

Um miniconto de Silviane Ramos | "De que cor ficou?"

Três poemas de Oluwa Seyi | A fagulha da vida