Poema de Daniela Pace

imagem: google

    Ave do Paraíso

Você ateou fogo em meu peito,
mas não ardeu comigo.
Assistiu a dança das salamandras
e se aqueceu ao calor das chamas
e até aplaudiu, camuflado na platéia,
quando as labaredas alcançavam estrelas.
Mas não verteu uma só lágrima sobre as cinzas,
apenas sentiu um estranho vazio,
ao deixar escorregar por entre os dedos, 
o pássaro que brilhava e pensou: 
ele talvez renasça, 
numa manhã novinha em folha,
quando eu abrir os olhos.

Daniela Pace Devisate (Devi Sat), em 07.02.2020
(Ilustração "Beata Beatrix", Dante Gabriel Rossetti, c. 1864-70)



Daniela Pace Devisate (Devi Sat , Iandella Cape) nasceu em São Paulo, capital, em 1971. Escreve desde criança, poemas, contos e prosa poética. Formada em Pedagogia e Artes Visuais, é professora de Arte da rede estadual paulista, leciona no município de Iguape. Produz livros de artista e livros de poesia artesanais, tendo participado de diversas feiras de publicação independente. Tem poemas nas revistas Germina, Mallarmargens, Literatura&Fechadura, Gente de Palavra. Participou da antologia Voos Literários e finaliza seu livro de poesia Haikai Tupy, a ser lançado esse ano.

Comentários

PUBLICAÇÕES MAIS VISITADAS DA SEMANA

Mulher Feminista - 16 Poemas Improvisados - Autoras Diversas

Nordeste Maravilhoso - Viva as Mulheres Rendeiras!

Quatro poemas de Ana Dos Santos | "Retorno ao Atlântico Negro"

Poema | Nunca Mais, por Jeane Tertuliano

Lançamento | Coletânea Mulherio das Letras para Elas

Cinco poemas de Valéria Paz | "Era vida e se quebrou"

Pés Descalços 02 | Uma página para cada coisa

Cinco poemas de Eva Potiguar | Uma poética de raízes imersas

Para não dizer que não falei dos cravos | Seis poemas de Jansen Hinkel

MulherArte Resenhas 16 | "Chão Batido", de Juçara Naccioli: vozes monumentais de ontem e de hoje - Por Marli Walker