Poema de Daniela Pace

imagem: google

    Ave do Paraíso

Você ateou fogo em meu peito,
mas não ardeu comigo.
Assistiu a dança das salamandras
e se aqueceu ao calor das chamas
e até aplaudiu, camuflado na platéia,
quando as labaredas alcançavam estrelas.
Mas não verteu uma só lágrima sobre as cinzas,
apenas sentiu um estranho vazio,
ao deixar escorregar por entre os dedos, 
o pássaro que brilhava e pensou: 
ele talvez renasça, 
numa manhã novinha em folha,
quando eu abrir os olhos.

Daniela Pace Devisate (Devi Sat), em 07.02.2020
(Ilustração "Beata Beatrix", Dante Gabriel Rossetti, c. 1864-70)



Daniela Pace Devisate (Devi Sat , Iandella Cape) nasceu em São Paulo, capital, em 1971. Escreve desde criança, poemas, contos e prosa poética. Formada em Pedagogia e Artes Visuais, é professora de Arte da rede estadual paulista, leciona no município de Iguape. Produz livros de artista e livros de poesia artesanais, tendo participado de diversas feiras de publicação independente. Tem poemas nas revistas Germina, Mallarmargens, Literatura&Fechadura, Gente de Palavra. Participou da antologia Voos Literários e finaliza seu livro de poesia Haikai Tupy, a ser lançado esse ano.

Comentários

PUBLICAÇÕES MAIS VISITADAS DA SEMANA

Um conto de Maria Amélia Elói | "Fécula"

Cinco poemas de Claudia Miranda Franco | "Moenda"

Sete poemas de Rozana Gastaldi Cominal | "Aos protagonistas da cultura viva"

Coluna 01 - In-Confidências - Apresentação, por Adriana Mayrinck

Coluna 02 | Fala aí... Isabel Bastos Nunes (Portugal)

Coluna 01 | Mulherio das Letras na Lua - Apresentação

Coluna 04 | Fala aí... Terezinha Malaquias (Alemanha)

Coluna 01 | Fala aí... - Apresentação, por Adriana Mayrinck

PONTE-AR: literatura preta em dia(logo) | Na moda - Catita

A poesia tocante de Wanda Monteiro