Três Poemas de Mascha Kaléko - original em alemão e tradução




Poesia Alemã e Indígena - uni verso de mulheres - 01


Três Poemas de Mascha Kaléko
Tradução: Valeska Brinkmann

Chanson von der Fremde

Die Fremde ist ein kaltes Kleid
mit engen Kragen
Ich hab's mit meinem Koffer oft
im leben schon getragen

Als Einzelgänger von Natur
wohn ich nicht gern zu Gaste
Ich hause lieber unterm Dach
als fremd im Prunkpalaste

Ich reise ohne Stock und Hut
Und tanze aus dem Reigen
wenn einer eine Reise tut
da kann er viel verschweigen.


Canção do estrangeiro
O estrangeiro é um vestido frio
com um colarinho apertado
Na vida muitas vezes eu
tenho minha mala usado

Solitária por natureza
Não me apraz morar com um batalhão
Prefiro viver sob o sótão
como estrangeira na suntuosa mansão

Viajo sem bengala e chapéu
E danço fora da ciranda
quando se faz uma viagem
muito se oculta e debanda.



  
Worte in den Wind

Du zahlst für jedes kleine Wort auf Erden,
für jedes Mal, da du das Schweigen brichst.
So tief du liebst, wirst du verwundet werden
und mißverstanden, fast so oft du sprichst.


Palavras ao vento
Você paga por cada pequena palavra na terra
para cada vez que o silêncio você encerra
Tão fundo quanto você ama, ferido vai ficar
e incompreendido, quase sempre que for falar


Was man so braucht...

Man braucht nur eine Insel
allein im weiten Meer.
Man braucht nur einen Menschen,
den aber braucht man sehr.


Do que se precisa...

Precisa-se só de uma ilha
sozinha, ao longe no mar.
Precisa-se só de uma pessoa
mas aí, muito se vai precisar.



Mascha Kaléko (1907 – 1975) nasceu em Chrzarnów, hoje Polônia, filha de judeus, ainda criança mudou-se com os pais para Alemanha, fugindo dos pogrons, depois em 1933 emigrou para Nova York com o marido. Em Berlim, fez parte da Neue Sachlichkeit (Nova Objetividade), movimento de artistas e escritores como Erich Kästner, Joachim Ringelnatz , Bertold Brecht e Kurt Tucholsky.  Seus poemas falam do exílio, do dia-a-dia e do amor na cidade grande em tom melancólico e irônico, muitos foram musicados para os cabarés, na voz de cantoras como Claire Waldoff e Hanne Wieder. Os poemas acima foram tirados do livro póstumo „ Sei klug und halte dich an Wunder“ , dtv 2013

Valeska Brinkmann nasceu em Santos, Estudou Rádio e TV na FAAP (SP). Escreve histórias para crianças, contos e poemas.  Tem textos e traduções em sites literários e antologias na Alemanha, Brasil e Portugal. Faz parte do coletivo GLENSE - Guerrilha Literária Espontânea na Sala de Estar. Trabalha na emissora de Rádio e TV pública de Berlim, onde vive há quase vinte anos.

Comentários

Postar um comentário

PUBLICAÇÕES MAIS VISITADAS DA SEMANA

A terapia da palavra em quatro poemas da jovem escritora Maria Luiza Brasil

PodPapo 07 | Entrevista com a cantora e multiartista Lica Cecato

A beleza no humanismo e na denúncia da poesia de Edir Pina de Barros

PodPapo 09 - entrevista com a escritora, editora e coordenadora do Focus Brasil NY Nereide Santa Rosa

Um conto de Marithê Azevedo | "Céu Escuro"

Para não dizer que não falei dos cravos | Poemas e videopoemas de Rogério Bernardes

Três poemas de Dayane Soares | Uma poética do tempo e da ancestralidade

Um miniconto de Silviane Ramos | "De que cor ficou?"

Divina Leitura | As multiplicidades de "Santuário" de Maya Falks

Quatro poemas de Helenice Faria | Uma poética da resistência