Uma mulher admirável - Luciana Hidalgo



A Revista Ser MulherArte, além de difundir e contemplar a arte de mulheres, em todas as suas vertentes, tem como um dos objetivos, homenagear mulheres que fazem a diferença. Escolhemos hoje, Luciana Hidalgo, por ser uma mulher que para além do talento como escritora reconhecida que angariou prêmios notáveis e da formação acadêmica privilegiada que inclui um pós doutorado na Sorbonne, em Paris, é acima de tudo, cidadã preocupada com os rumos políticos e sociais do nosso país, com os preconceitos, com as desigualdades e com todos os desmandos que presenciamos diariamente. Apesar da dedicação total ao novo romance que está escrevendo, não se exime de escrever e publicar no facebook, textos maravilhosos e certeiros, sobre os mais diversos temas, levando-nos a reflexões valiosas. Louvamos, portanto, a sua luta constante, tanto na  literatura, quanto na vida, utilizando a palavra e a visibilidade como artista para alicerçar dias de luta e esperança. Toda a nossa admiração e respeito. Reproduzimos aqui, um dos seus textos e vale muito a pena a leitura.

  "Em regimes autoritários, artistas, intelectuais e cidadãos de todas as áreas que pensam livremente são os primeiros silenciados, ou ameaçados, ou menosprezados, ou proscritos, ou torturados, ou presos (vide a ditadura no Brasil dos anos 1960/70). A extrema-direita é a negação do humano, por isso não nos deveria chocar o atual desprezo estatal pela literatura, pelas artes em geral e pelo livre pensamento (na universidade e fora dela). Ainda assim, choca. E o que talvez mais choque seja a arrogância embutida nessa ignorância. Sou só eu que noto, ou tem gente achando charmoso posar de ignorante prepotente? O conhecimento, esse que dinheiro algum compra, virou motivo de troça entre alguns brasileiros, e ironicamente para os que mais precisam dele, ai, ai, ai.
Cada um lê o que quer e o que pode, é claro, mas por trás do “desprezo” pela cultura por parte de pessoas da extrema-direita, o que vejo é uma total incapacidade de compreensão do que dizemos, nós que defendemos direitos humanos, pensamos, escrevemos, encenamos, filmamos etc. Tudo isso ficou mais claro para mim no dia em que um amigo de infância disse que não conseguia ler um livro meu. Contou ainda que deixava um exemplar na sala da casa dele, e quando amigos iam lá jantar, ele lia em voz alta o texto da orelha, todos riam porque nada entendiam, continuavam o jantar, riam mais um pouco, voltavam aos seus vinhos e charutos. E tim-tim, um brinde à mais triste ignorância!
Quando o amigo de infância me contou isso às gargalhadas, em 2013, eu não imaginava que essa era a semente de uma extrema-direita meio deslocada que começava a germinar no Brasil, ainda tímida, e daria nisso que vemos hoje. Na época eu até ri do que ele disse, não sarcástica, apenas melancólica e piedosa. Tive pena dele e do grupo de amigos que iam a Miami comprar sapatos e, apesar da formação universitária e do estudo nos melhores colégios particulares, sequer conseguiam ler a orelha de um livro (a orelha!).
De lá pra cá percebo que um ou dois gatos pingados que pensavam assim, na privacidade das suas casas e castas, agora são centenas, milhares, e alardeiam a própria ignorância com orgulho, sem a menor vergonha, o que leva a uma prepotência que vai num “crescendo” agressivo e coletivo, gerando as barbaridades ouvidas por aí. Trata-se de um momento devastador da história do nosso país, em que o saber é desprezado em nome de um pragmatismo emburrecido, disfarçado num risinho cáustico.
Não à toa a área de Humanas tem sido atacada e ameaçada de extinção nas universidades públicas. Et pour cause: o termo “Humanidades” deriva da expressão em latim “studia humanitatis”, ou seja, significa literalmente “estudo da humanidade”. Na universidade contemporânea trata-se das Ciências Humanas, que têm o humano como objeto de estudo e englobam Letras, Filosofia, História, Artes etc. E por que humanos se sentiriam ameaçados pelos estudos da humanidade? Talvez porque existam humanos que não se acham humanos – e talvez não sejam mesmo. Perderam a capacidade de pensar, a prerrogativa de ser, arrogantemente abobalhados na roda-viva trabalho/consumo/trabalho. E ainda riem da própria miséria, les pauvres.
Por isso o “estudo da humanidade” nunca foi tão urgente. Afinal, somos nós, das Humanas, que zelamos pelos humanos, até pelos ingratos. Quando penso que bastava o amigo de infância pedir para eu explicar cada linha do meu livro e eu faria de bom grado, mas que ele preferiu camuflar a insegurança com um sarcasmo tolo, ai, ai, ai. Não é grave a dificuldade do cara em ler textos mais complexos; grave é ele não ter o menor interesse em aprender. Isso quer dizer que ele nunca pensará de forma mais complexa. E como entender a grande complexidade do mundo sem conseguir ler 20 linhas da orelha nada complexa de um livro?
É nesse vazio intelectual que regimes fascistas fincam raízes e se agigantam, daí a urgência da defesa a todo custo das Ciências Humanas. Que a extrema-direita se sinta ameaçada por nós das Humanas, faz sentido, porque ao zelar pelo humano, questionamos e denunciamos a violência e a ignorância do autoritarismo que torna a sociedade servil, idiotizada, inumana. Existe, contudo, um aspecto curioso nisso tudo: quanto mais a extrema-direita apela para práticas truculentas e radicais (como a extinção das Ciências Humanas nas universidades públicas), mais demonstra que se sente acuada, incomodada e ameaçada pelo que pensamos, dizemos, escrevemos, encenamos, filmamos etc. No risinho cáustico do amigo de infância, por exemplo, havia um complexo de inferioridade, um constrangimento que nenhum sarcasmo do mundo esconde; pelo contrário, flagra.
O Brasil só vai sair do atual obscurantismo no dia em que pessoas assim deixarem de ir a Miami comprar sapatos e forem à livraria da esquina comprar livros – e isso porque querem, podem e sabem ler 20 linhas da orelha da p. de um livro! Até lá só nos resta pensar, escrever, criar, estudar, ensinar, cada vez mais e melhor. É preciso abrir clareiras de inteligência e beleza na mata cerrada e obscurantista diariamente, sistematicamente, e nos fortalecermos entre nós. Não caiamos na tentação da reação automática às provocações brutais e imbecilizantes da extrema-direita, porque o mundo em que essas pessoas vivem, e que tentam nos empurrar, é feio, desinteressante, sem charme, sem inteligência nem humanidade. Resistamos de todas as formas, possíveis e impossíveis, mas sem deixar que a burrice e a truculência nos infectem."

Luciana Hidalgo


Luciana Hidalgo é uma escritora brasileira, Doutora em Literatura Comparada pela UERJ e pós doutora pela Universidade Sorbonne Nouvelle Paris 3, onde é pesquisadora.
A autora já deu palestras sobre seus livros e temas na programação principal da Festa Literária de Paraty (Flip), na Bienal Internacional do Livro de São Paulo, em universidades como UERJ, UFRJ, USP, UFMG, e em diversos centros culturais no Brasil. Na França, deu palestras na Sorbonne (Université Paris 3 e Paris 4) e no Centre Culturel International de Cerisy-la-Salle, bem como na Universidade de Viena, na Áustria, entre outros centros culturais e universitários europeus. Ganhou dois prêmios Jabuti com os livros , Arthur Bispo do Rosário - O Senhor do Labirinto (Editora Rocco/1966) e Literatura da Urgência - Lima Barreto no Domínio da Loucura (Annablume/2008). Em 2011 lançou O Passeador, pela Rocco, romance que foi finalista dos prêmios, Portugal Telecom, Jabuti e Prêmio São Paulo de Literatura em 2012, na categoria "melhor romance". Em 2016 lançou pela Rocco, o Romance Rio - Paris - Rio. Dedica-se agora, à escrita de novo Romance que sairá em breve.


Um mimo com o carinho da equipe da Revista Ser MulherArte



Comentários

  1. Ótima homenagem. Adoro a Luciana.

    ResponderExcluir
  2. Sigo essa admirável escritora e seus textos são impecáveis. Parabéns pela homenagem.

    ResponderExcluir
  3. Perfeito e admirável posicionamento que certamnte irá tocar uns e envergonhar outros

    ResponderExcluir
  4. Parabéns pela homenagem. Texto admirável!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

PUBLICAÇÕES MAIS VISITADAS DA SEMANA

A terapia da palavra em quatro poemas da jovem escritora Maria Luiza Brasil

PodPapo 07 | Entrevista com a cantora e multiartista Lica Cecato

A beleza no humanismo e na denúncia da poesia de Edir Pina de Barros

PodPapo 09 - entrevista com a escritora, editora e coordenadora do Focus Brasil NY Nereide Santa Rosa

Um conto de Marithê Azevedo | "Céu Escuro"

Para não dizer que não falei dos cravos | Poemas e videopoemas de Rogério Bernardes

Três poemas de Dayane Soares | Uma poética do tempo e da ancestralidade

Um miniconto de Silviane Ramos | "De que cor ficou?"

Quatro poemas de Helenice Faria | Uma poética da resistência

Divina Leitura | As multiplicidades de "Santuário" de Maya Falks