Cinco Poemas de Sandra Almeida




Sina do Sertanejo

O sertão chora desamparado.
A seca o devora,
até os sonhos,
seu dotô!

Patriarca despede.
lágrimas e saudades.
Leve balançar de cabeça,
um dia voltarei.
Espere... a vida vai melhorar!

Meninos sem entender, espiam.
Aconchegando-se na saia da mãe,
lagrimas ensaiam em seus olhos.
Coração anseia resto de esperança.
____O pai prometeu!

Mas as promessas, não cessam.
Vida ingrata.
Sempre a prometer!

Como preces atendidas.
Chove no sertão.
Mandacaru florido.
___Como luzes em avenidas!

Um cheiro envolvente,
de flor, terra molhada.
E esperança!

Par de olhos parados,
fixam a entrada.
Cantarola pra esquecer
 a tristeza.

Triste notícia recebeu.
José não mais voltará.
Atravessando a São João,
o mundo de concreto o levou.

E Maria... emudece numa última prece!

Fotografia por Mdorea






delimitação

guardei minha loucura
numa gaveta de um
de um móvel esquecido
num lugar qualquer da casa.

fiz questão de esquecê-la

melhor pra mim
melhor pra todos...
prefiro minha lucidez
ainda que teime ser
perigosa!



versos cansados

meu sorriso aniquilado
derrama-se em lágrimas.

dores ocultas aparecem

em inquietos versos

que brigam entre si.

coagidos

travam um duelo

e renascem

num poema.



palavras reprimidas

palavras enlouquecem
provocando a gramática.

inquietam-se e gritam
com olhares atormentados.

enamoram-se entre si
alucinadas para alçarem voos.

mas minhas mãos estremecem
boca amordaçada
e os versos adormecem!



Sombra Atrevida   

minha sombra me persegue.

contempla minha nudez
com cara atrevida
e sorrindo de minha estupidez
entra em mim
deixando-me acuada.

depois se esconde.

insistente, desafia-me
com olhares marotos
e dissimula ser louca
tirando minha roupa
num strip-tease despudorado.

incansável perseguição!

Imagem WP @patrickdesenhoetatoo




Sandra Almeida

Sou paranaense de Jandaia do Sul.Ativista de movimentos sociais nas décadas de 70 e 80. Atuo na educação há 39 anos, ensino público e privado. Geógrafa por formação e poeta por opção, publicou em diversas Antologias, brasileiras e internacionais. Em 2012, publiquei o livro Travessia pela Editora Personal, RJ. A escrita renasceu num repente e importante momento de minha vida, com ela desnudo-me e sou feliz!

Comentários

Postar um comentário

PUBLICAÇÕES MAIS VISITADAS DA SEMANA

A terapia da palavra em quatro poemas da jovem escritora Maria Luiza Brasil

PodPapo 07 | Entrevista com a cantora e multiartista Lica Cecato

A beleza no humanismo e na denúncia da poesia de Edir Pina de Barros

Para não dizer que não falei dos cravos | Poemas e videopoemas de Rogério Bernardes

A Poesia grandiosa de Rita Santana - seis poemas

Um conto de Érika Gentile | "Dor"

Três poemas de Dayane Soares | Uma poética do tempo e da ancestralidade

Um miniconto de Silviane Ramos | "De que cor ficou?"

Divina Leitura | As multiplicidades de "Santuário" de Maya Falks

Três poemas de Oluwa Seyi | A fagulha da vida