Um mergulho na Arte libertária de Cláudia Gonçalves

Seis poemas e cinco Artes de Cláudia Gonçalves.


                            epílogo

                            na quase esquina
                                       não há vaga
                            perdeu-se o tato
                            perdeu-se a valsa
                            perdeu-se o enlace

                            [na quase esquina_não vale]

                            não vale o dote_
                            não vale
                            não vale a pena_

                            não vale
                            não vale o trote_
                            não vale
                            não vale o chumbo_
                            não vale

                            não vale o passe
                            [não vale o rito do sal
                            jorrado na face]

                           constatação

                           às vezes para romper
                           o eixo do elo
                           [há que mergulhar
                           em abismos]

                           na vileza das vértebras
                           musgos tramam
                           entre–juntas

                           *

                           ebulição

                          a noite se arrasta
                          na pista do desassossego
                          que teima acordar os fantasmas
                          que habitam o musgo
                          do tempo
                          ido

                     
                       vácuo

                       em pétalas
                       desfaço-me

                       ___avesso
                       sentindo o beijo do vento
                       vanilla inunda
                       o papel em branco

                      com sabor
                      de mil folhas
                      o desejo vacila

                     [marcha perdida]

                     no sopro do tempo
                     __labirintos da vida


                      caçada

                      fome
                      de arte
                      me tome

                      grito
                      teu nome
                      no ar

                       te invoco
                       no sonho
                       na trilha
                       na trama da rede
                                         no mar

                       da esquina
                       até marte
                       não vou
                       me burlar

                       vem
                       vou amar-te
                       [é meu foco]
                       não posso adiar



                       adversidade

                       teus vendavais
                       já não cabem
                       no abraço

                       tiram do prumo
                       o veludo
                       e o barco perde
                                        a rota

                      jorrando
                      o sal
                      no
                      carmim



Cláudia Gonçalves, é poeta, design de objetos e artesã. Coordenadora Editorial do Proyecto Cultural Sur/Brasil e Coordenadora do Projeto, “Poeta, mostra tua cara na escola”. Foi Assessora de Coordenação do Congresso Brasileiro de Poesia, por onze anos.
Integrou o grupo, “República da Poesia” que coordenava um sarau mensal em Porto Alegre - RS. Fez parte do movimento, “Poetas Pela Paz e Justiça Social”, idealizado pela Editora Alcance.
Atualmente, parte das suas criações é desenvolvida no atelier próprio, “ArtNano” e faz um trabalho direcionado às escolas do ensino público, integrando dois projetos do Sesc: um estadual, “Mais Leitura” e um nacional, “Arte da Palavra”.  É membro da Casa do Artesão de Porto Alegre, da Casa do Poeta Rio-Grandense, da Casa do Poeta Camaquense e Cônsul do movimento, “Poetas del Mundo”, Porto Alegre - RS.
Ministra oficinas [talleres-workshops] de mini livros em bienais, feiras de livros, congressos, escolas, ONGs e centros culturais. Até o momento, o trabalho já foi desenvolvido em vários estados brasileiros e nos seguintes países:  Argentina, Uruguai, Colômbia e Chile.
Em sua trajetória poética, tem algumas parcerias musicais, participou de mais de quarenta antologias, tem poemas publicados em vários sites, jornais, revistas, e-books, entre outros. Muitos foram traduzidos para o inglês, o italiano o espanhol e o francês. Tem trabalhos publicados em Portugal, Moçambique, Argentina, Peru, Colômbia e Chile.  Livros: “Entrelinhas” Edição artesanal da Fábrica de Cataventos – MG/ 2011
“Cerne” Ed: PCSUR – RS / 2015 - "Nanico” mini livro de microcontos, Edição artesanal ArtNano - RS/ 2018. -cacaugoncalves@gmail.com - Porto Alegre- RS.

imagens: Arte Visual, de Cláudia Gonçalves. 

Comentários

Postar um comentário

PUBLICAÇÕES MAIS VISITADAS DA SEMANA

A poesia bela e visceral de Jade Luísa

Uma Colher de chá pra ele - Fabrício Brandão

Improvisos & Arquivos 06 | O que eu observei nessa pandemia - publicação coletiva

Zezé Freire | 4 poemas

Camila Pina | Uma pausa pra falar de gênero

Pôr do Sol | um conto de Vera Ione Molina

Coluna | Ouvindo Mulheres 11 - O poder sagrado de Auritha Tabajara

Isabel Furini & Luciane Valença | 5 poemas 5 telas

A poesia magistral&impecável de Águeda Magalhães