Um Conto bem-humorado e surpreendente - por Sonia Nabarrete



Aquarela de Luciane Valença

Entre corpos


Havia cheiro de sexo no ar. Eles já tinham se beijado longamente e explorado com línguas e dedos o corpo um do outro, quando eu, que a tudo assistia, fui convidada a participar.
Cheguei no melhor da festa. Ela já estava devidamente lubrificada e ele exibia sua potência, sem disfarçar um certo orgulho.
Naquela noite quente de verão, numa ampla cama redonda de motel, cenário para cultos hedonistas, eu estava entre um homem e uma mulher, sintonizados em um tesão que se traduzia em movimentos instintivos, num ritmo crescente.
Feito o recheio de um sanduíche, sentia as manobras e recebia fluídos de ambos.
Recebi o calor e a energia daqueles corpos que se fundiam numa coreografia perfeita, cada um buscando o próprio prazer. O orgasmo foi simultâneo e intenso. 
Depois, quando a paixão deu lugar à ternura, fui excluída do contexto.  Com a mesma sutileza com que fui chamada, me dispensaram. E em seguida, atirada ao lixo, que é lugar de camisinha usada.




Paulista de São Caetano do Sul, Sonia Nabarrete é jornalista profissional e atualmente trabalha como freelancer na produção e revisão de textos. É autora da novela Eretos, de Contos Safadinhos e do romance Abusada, além de ter participado de várias antologias, de contos e poemas, no Brasil e em Portugal. Sua escrita é marcada por erotismo, sob olhar feminino e feminista, e um toque de humor. Foi selecionada cinco vezes para a coletânea do Concurso de Microcontos do Salão de Humor de Piracicaba.

Comentários

Postar um comentário

PUBLICAÇÕES MAIS VISITADAS DA SEMANA

A terapia da palavra em quatro poemas da jovem escritora Maria Luiza Brasil

PodPapo 07 | Entrevista com a cantora e multiartista Lica Cecato

A beleza no humanismo e na denúncia da poesia de Edir Pina de Barros

PodPapo 09 - entrevista com a escritora, editora e coordenadora do Focus Brasil NY Nereide Santa Rosa

Um conto de Marithê Azevedo | "Céu Escuro"

Para não dizer que não falei dos cravos | Poemas e videopoemas de Rogério Bernardes

Três poemas de Dayane Soares | Uma poética do tempo e da ancestralidade

Um miniconto de Silviane Ramos | "De que cor ficou?"

Quatro poemas de Helenice Faria | Uma poética da resistência

Divina Leitura | As multiplicidades de "Santuário" de Maya Falks