A poesia "Vermelha" de Dairan Lima

Obra de Carlos Sena Passos

VI
O ritual do amor
são vestes jogadas ao chão
A tua olheira de prata
e um olhar inquisidor.

XVIII
Sou apenas pó
e
sinto
falta de ar.

XIX
A vida saía de nossa boca
e o encontro era a canção.

Um dia,
você enrodilhou a estrada
colocou-a no bolso
e foi assobiando.

Eu, engasgada,
furei os olhos.

xxv
Moços todos
que passam
trepados nos seus motores,
suplico: casai comigo,
que sou bela virgem santa.

Moças todas que desfilam
com seus vestidos de gaze,
imploro: dormi
na minha cama assassina.

Moços e moças,
é urgente o meu pedido
- como fosse ordem divina -
não terrestre:
-acariciai
o meu sexo desgraçado!

Obra de Carlos Sena Passos

XXX
3/10
Algumas cicatrizes.
Eis a essência de meus pertences.
Uma cicatriz no supercílio esquerdo,
uma taça de cristal quebrada.

4/10
Um presente:
o vestido de ninfa que doei à empregada.
Um breve encolher de ombros,
a vida inteira que se esvai...

(...)

6/10
Sena in cena,
Marvia mata.
Cabelos, após coivara,
são tocos irregulares e frios.
Paulo in Sampa.
Eu?
Aqui em frente,
ó espelho
de(s)mente.

(...)

15/10
Por que eles me prometem castelos?

(...)

XXXV
Fiz uma limpeza 
no útero,
você foi junto. Perdão
fico devendo você ao mundo.

XXXVI
Enfeitaram-me com as rendas
mais caras e finas
e disseram:
- Vai, Eva, padecer no paraíso.

 Poemas retirados do livro "vermelho" de Dairan Lima. As ilustrações são obras do artista, Carlos Sena Passos, a quem Dairan dedica o livro.


Dairan Lima nasceu em Dueré, Tocantins e vive em Goiânia-GO. Poeta desde a mais tenra idade, ama a arte e toda a poesia que advém dela. Formada em Letras pela Universidade Federal de Goiás, é professora aposentada e trabalhou muito como modelo vivo, inclusive para Carlos Sena Passos. Participou de várias Antologias e em 2016, lançou o livro "vermelho" pela Nega Lilu Editora.

Comentários

PUBLICAÇÕES MAIS VISITADAS DA SEMANA

Mulher Feminista - 16 Poemas Improvisados - Autoras Diversas

Nordeste Maravilhoso - Viva as Mulheres Rendeiras!

Para não dizer que não falei dos cravos | "Retratos" e "Autorretratos" de José Inácio Vieira de Melo

Poema | Fremente, por Jeane Tertuliano

Um ensaio de Isabel Furini | A Poesia e sua Função

Pés Descalços 01 | Menino ou Menina

Três poemas de Josuelene Souza | Autorretrato

Para não dizer que não falei dos cravos | Cinco poemas de Pedro Vale

Cinco poemas de Valéria Paz | "Era vida e se quebrou"

Cinco poemas de Catita | "Minha árvore é baobá rainha da savana"