Uma prosa poética de Nic Cardeal



Os olhos chuvosos de Deus

Eu imaginava que águas caíssem dos céus porque deus também sentia dores intensas e precisava chorar algumas vezes. Às vezes, muitas vezes. Então naqueles dias tão imensamente aguados eu chorava escondida - junto com deus - acreditando que assim poderia aliviar sua dor.
Ele, por certo, nem fazia ideia que uma de suas milhares de criaturas, tão ínfima como um grão de areia perdido no seu universo sem fim, chorava com ele, por ele... Eu, por outro lado, desse lado aqui de baixo, sentia-me útil, num quase mútuo sentimento de compaixão e amor, acreditando piamente na utilidade do meu gesto.
Assim segui acreditando por anos a fio, toda vez que chuvas a rodo rolavam lá do alto até cá embaixo. No correr do tempo sempre me perguntava a razão de tanto sofrimento de deus por seus humanos... porque as águas continuavam, ora leves, ora pesadas, nervosas, desesperadas...
Perdi a conta por quanto tempo segui acreditando no sofrimento intenso de deus por seus mínimos humanos. Creio que chorei inúmeras vezes por essa razão, em compaixão à divindade entristecida. Até que, já um pouquinho crescida, desaguei pela primeira vez - sozinha - sem nenhuma lágrima solidária daquele meu deus que chorava aos turbilhões. Naquele dia aprendi a lição, não por deus, mas por minha própria solidão a fazer desaguar o coração - foi meu primeiro sintoma de amor. A lição? Em chuvas internas de amor nem deus se atreve a querer entender a linguagem inútil das lágrimas.
Hoje chove muito. O dia inteiro. Sempre que chove lembro dessa minha imaginação de outrora - quase criança - e posso ver aquele meu deus imaginário todo encharcado, espiando d'alguma janela do céu, pra ver se estendo meus olhos molhados de tanto enxugar sua dor.

Nic Cardeal, em 02.02.2020
(ilustração de Márcia Cardeal, @marciacardealestudio)



Nic Cardeal, graduada em Direito, escritora, integrante do Mulherio das Letras desde a sua criação em 2016. Escreve suas insuficiências em qualquer superfície ou profundidade compatível com os sentidos. Autora do livro de poemas 'Sede  de céu', Penalux, 2019.

Comentários

Postar um comentário

PUBLICAÇÕES MAIS VISITADAS DA SEMANA

A Poesia renova esperanças: Júlia Alberto, 14 anos, Poeta.

PodPapo 01 | Entrevista com a escritora Rosângela Vieira Rocha

Alma&Luz - A poesia de Ana Cleusa Bardini - seis poemas

Uma crônica em tempos de quarentena - Por Marta Godoi

A poesia terna e lúdica de Alessandra Sanches

Fotografia 5 | Projeto Pixel Ladies + Revista Ser MulherArte - Francine Tobin

PodPapo 02 - entrevista com a escritora Lia Sena

Uma Mulher Admirável - Chris Herrmann

Em uma Metáfora bem-humorada, o passado alerta o futuro: crônica de Marisa Zani

depois O Amor | um Romance apaixonante de Lia Sena