Excerto de Mauricéa, livro de Adrienne Myrtes


 https://drive.google.com/uc?export=view&id=18nLis7wMGRjpc4lB3pK6C-Ea7WRruMDb
capa do romance Mauricéa, editora Edith, 2018

“Mauricéa é uma mulher transgênero, idosa, que acamada após violência sofrida por parte de outros idosos, rememora sua vida passando a limpo a própria trajetória, amores e desamores. Mauricéa nasceu Omar, no Recife, e viaja para São Paulo em busca de um amor e aceitação de si. “Sua caminhada de juventude se confunde com as ruas da cidade fiando um tecido no qual a alma da personagem é o próprio Recife”, conta Adrienne.“

MAURICÉA

Quero estacionar meu nariz na seção de ervas do Mercado de São José, pensar que meu nome é Mauricéa, trago na bolsa um batom vermelho e uma gilete pra usar embaixo da língua, mal completei vinte anos e acredito na vida e no amor. 
E me imagino caminhando entre os boxes do mercado, feito usava fazer naquela época, quando andava a procura da mistura perfeita para me servir de banho, e me banhava com molhos de arruda, quebra-pedra, espadas de são jorge ou santa luzia combinados entre si e entre todos para deixar claro que comigo ninguém podia e assim me curava dos caminhos fechados e da escuridão noturna reinante quando saía para trabalhar; toda trabalhada na sedução, fugindo da família a mim destinada, criando um destino brilhante, cravejado de paetês e vidrilhos, coisa que já nem se usa.
Lembrar é coisa em desuso. Ficar velho é coisa que não se deve usar sob qualquer justificativa; é feito melancolia, perdeu a serventia, efeito dos tempos, dos ventos que varreram minha vida, varreram a história e o rumo do mundo. Minha história se confundiu e meu mundo caiu muitas vezes; eu ficaria feliz em ter as sobrancelhas de Maysa. Os cabelos eu sempre preferi loiros, quando os tinha. E sinto pena de mim por não ter guardado a inocência e saber o quanto acreditar na vida e no amor é brega, piegas e sem o mínimo direito a se tornar cult. Canções podem se tornar cult, flores plásticas podem sofrer essa mutação, estampa de animais, cult. O amor não, o amor é brega, sem remédio.
Estico os olhos sobre a paródia de varanda de minha kitinete e lembro quantas vezes me montava no banheiro do bar, porque saía com a roupa ensacada em plástico de supermercado para não dar pinta diante da família, para não causar desconforto pulmonar na tia asmática e já viúva muito sacrificada e empenhada em me tornar um adulto merecedor de respeito, respeitando a circunstância que fez de mim sua herança; a única deixada pela irmã morta, tão jovem e tão solteira, embora grávida. Partiu durante o parto. E lembro ainda, buscando uma estampa perfeita precisava circular a tarde inteira pelo Cais de Santa Rita, enchendo de pernas as ruas da Zona da Cachorra procurando uma kanekalon loira e lisa para completar meu cabelo na noite do Chantecler. Palco de vida e morte de momentos meus. E o Chantecler não existe faz é tempo, eu soube, o governo interditou, reformas, restauração. O casarão, feito tudo nesse mundo, não resistiu aos dias; o que resiste em mim é o costume de apelidar qualquer lugar onde se reúnam primas e donas de Chantecler. Por carinho mesmo, para reviver um tempo quando eu ainda vivia. Vivia pelas ruas do Recife velho, só na fechação, apertada em mini saias muito minis que eu ficava puxando pra baixo, charme puro. Porque achava lindo quando via as meninas puxando a calcinha que teimava em se refugiar do arredondado da bunda, atendendo ao apelo do rebolado; e eu, sem bunda, sem calcinha, lutando para manter preso entre as pernas aquele apêndice de sexo que me sobrava sob o conforto da cueca. Coisas das quais nunca consegui abdicar, nem do pau, nem da cueca. Me restava o arremedo de puxar a saia, os dedos em pinça, a mão atravessada pelas costas valorizando o movimento.

Omar, tá acordado? Vou buscar os remédios.
Omar é meu cu, me chame de Mauricéa.
(...)


https://drive.google.com/uc?export=view&id=1rx8Gf_L9r9plu1lWBpUzn_p34E-At0mG
Adrienne Myrtes nasceu no Recife / Pernambuco e vive em São Paulo desde 2001. É artista plástica e escritora. Participou de algumas antologias, destacando: 
Os Cem Menores Contos Brasileiros do Século, (Ateliê Editorial, 2004), 35 Segredos para Chegar Lugar Nenhum, (Bertrand Brasil, 2007) Assim você me mata (Terracota Editora, 2012). Publicou: A Mulher e o Cavalo e Outros Contos (Alaúde e  eraOdito, 2006), o romance Eis o Mundo de Fora (Ateliê Editorial, 2011), cujo projeto recebeu o Prêmio Petrobras Cultural 2008/2009, a novela uma história de amor para Maria Tereza e Guilherme (Terracota Editora, 2013) e Mauricéa (Edith, 2018), finalista do Prêmio Jabuti, 2019.

Comentários

PUBLICAÇÕES MAIS VISITADAS DA SEMANA

Machismo estrutural | Quando a imprensa também exclui as mulheres

Uma resenha de Marta Cocco | "Uma Diva na passarela estreita do Jabuti"

Um poema de Mar Becker | "à parte do reino"

Uma série pictórica de Neide Silva | Flores do Cerrado

Cinco poemas de Tatiane Silva Santos | "No sonho"

A poética que roça os sentidos | Banquete poético

Yedda Maria Teixeira | o prêmio da arte de amar

Era uma vez 11 I Literatura infantil inclusiva da brasiliense Alessandra Alexandria

De Prosa & Arte| Nosso Corpo não é Bagunça!

IX Tertúlia Virtual | Vozes e Olhares de uma Poética do Feminino